Cláusula de confiança Metodista Unida: crítica em meio à luta?

Other Manual Translations: English 한국어

John Wesley foi bom em prever o futuro. Houveram tempos nos últimos 100 anos, quando uma congregação decidia não querer mais fazer parte da denominação Metodista Unida, mas deseja manter toda a propriedade da igreja.
Isso é algo que John Wesley pensou em 1750. Ele pediu a três advogados que criassem escrituras para três casas metodistas de pregação na Inglaterra. Essas ações foram revisadas várias vezes e sob a liderança de Francis Asbury e Thomas Coke, a Conferência Geral de 1796 aprovou a cláusula de confiança que ainda está em vigor hoje.
A cláusula de confiança afirma que a igreja local possui a propriedade em confiança para toda a denominação.
Recentemente, em dezembro de 2018, a Suprema Corte de Nova Jersey confirmou a cláusula de confiança da denominação em uma decisão sobre os direitos de propriedade da Igreja Metodista Unida Alpina, que opera como uma Igreja Metodista Unida desde 1843.
Dom John R. Schol, líder episcopal da área da Grande Nova Jersey, disse que um pequeno grupo de líderes da igreja escolheu ir aos tribunais em vez de trabalhar com a conferência para superar seus problemas. "Todos nós sofremos e todos perdemos algo quando as pessoas deixam a Igreja Metodista Unida porque já não concordarem com a Igreja", disse Schol. “Sempre acolhi a oportunidade de fazer parte de algo maior que eu e onde minhas suposições e convicções são desafiadas. É por isso que gosto de fazer parte da Igreja Metodista Unida - sou continuamente desafiado e esticado”.
Algumas das petições que vão para a Conferência Geral de 2019 estão pedindo uma saída graciosa, que permita às igrejas votar se saem ou ficam com a denominação - dependendo do que a conferência especial decidir - sem passar pelos canais legais para manterem suas propriedades.
No entanto, Schol disse que o desenvolvimento de um plano de saída gracioso não deve ser escrito em uma política. Cada igreja tem que pesar a situação, ele disse.
“Ser gracioso e permitir que as igrejas saiam, apenas por que querem ser uma congregação independente, não gostam de pagar contribuições, sentir-se desconfortáveis em fazer parte de uma denominação diversificada e global, não gostam de ter pastores nomeados e não querem bispos, não é Wesleyano e diminui a graça conhecida e experimentada através de Jesus Cristo”, disse ele.
Schol disse que a compreensão dos recursos compartilhados é um entendimento bíblico e wesleyano baseado na comunidade de shalom e em Atos 2, “e eles tinham todas as coisas em comum”. Ele acrescentou que muitos estados têm leis sobre como a propriedade da igreja deve ser tratada. Mesmo que as coisas mudem no Livro de Disciplina, Schol disse que as leis estaduais devem ser seguidas.
"Esses são assuntos que devem ser deixados para as conferências anuais", disse ele.
Thomas Starnes, chanceler da Conferência Baltimore-Washington, disse que ele e outros chanceleres consideram a cláusula de confiança como "criticamente importante para honrar".
"Criada em primeira instância nas próprias instruções de John Wesley, a cláusula de confiança não é apenas fundamental, mas indispensável para o caráter fundamentalmente conexional da Igreja Metodista Unida”, disse ele ao United Methodist News Service.
A sexualidade humana não é a primeira questão que os metodistas discordam, ele acrescentou, e não será a última. "Enfrentamos um perigo real de minar a eficácia da cláusula de confiança em tais momentos, se começarmos a falhar na criação de 'escotilhas de escape' com cláusula de confiança".
O Livro de Disciplina detalhou os procedimentos que uma igreja deve seguir, incluindo o consentimento de um superintendente distrital, para qualquer venda, locação, hipoteca ou renovações extensivas da propriedade da igreja.

Starnes disse que a cláusula de confiança de John Wesley é amplamente reconhecida como o "arquétipo" de proteger legalmente o interesse na propriedade da igreja local.

A Suprema Corte dos EUA fez menção específica à cláusula de confiança da denominação em Jones v. Wolf, 443 US 595 (1979), disse Starnes.
"Como o tribunal indicou ainda, todos os tribunais civis, em todos os estados, estão 'obrigados a dar efeito' a tais disposições de confiança expressa, o que é indubitavelmente por que alguns estão ansiosos para criar exceções à Disciplina", disse ele.
Existem alguns casos em que as igrejas votaram para deixar a denominação na história recente e algumas ainda estão pendentes. A igreja de Orchard deixou a denominação em 2017, e o Rev. Bryan Collier disse que estar livre da distração da política denominacional tem sido bom para a igreja.
"A liberdade da distração da política denominacional, a partir da próxima Conferência Geral de 2019 é a maior vitória agora", afirmou."A igreja floresceu". Collier disse que a Igreja não partiu pela questão da homossexualidade, ao invés disso, deixou a denominação por causa do prejudicial discurso civil que eles puderam ver chegando.
“A demonização hostil e violenta do outro e a testemunha prejudicial do mundo" foi o motivo pelo qual o Orchard tomou a decisão de sair”, afirmou. Ele disse que a ausência da conexão, relacionamento com outras igrejas e não fazer parte de uma “grande família” é sentida.
Nos acordos alcançados com a Conferência do Mississippi em 2017, ambas as congregações The Orchard e Getwell Road saíram com suas propriedades em troca de cada uma pagar as contribuições de um ano inteiro - a doação solicitada para apoiar a conferência e os ministérios distritais.
Alguns membros da Mead United Methodist Church entraram com uma ação contra a Pacific Northwest Conference em 2017, buscando transferir o título de propriedade da igreja para uma organização recém-criada, que criaram e nomearam Mead Community Church. Esse processo está em andamento.
A bispa Elaine JW Stanovsky escreveu uma carta aos líderes clericais e pastorais na conferência na época declarando que estava "desapontada que os tribunais estivessem sendo solicitados a decidir em um assunto que poderia e deveria ter sido resolvido dentro da 'Família', seguindo o processos acordados por todos os Metodistas Unidos”.
A Primeira Igreja Metodista Unida e Igreja Metodista Unida Bevil Hill em Louisville, Mississippi, votou para retirar a adesão da denominação em 2018. No entanto, o Bispo James E. Swanson Sr. divulgou uma declaração de que ambas as igrejas continuarão como Igrejas Metodistas Unidas da Conferência do Mississippi. A situação está em andamento.
A Igreja Metodista Wesley United, da Conferência Eastern Pennsylvania, deixou a denominação após negociar um acordo. A propriedade tinha uma hipoteca de US $ 4 milhões e a conferência decidiu que não fazia sentido assumir a dívida.
A Conferência Illinois Great Rivers ainda está em negociação com a Ohio Chapel Church depois de entrar com uma ação em 2015 buscando manter a propriedade agora usada por uma congregação dissidente.
A Conferência Califórnia-Nevada e o Bispo Minerva Carcaño processaram o Conselho de Curadores da Fundação Glide, aumentando a batalha pelo controle da famosa Igreja Metodista Unida Glide Memorial de São Francisco. A ação, ajuizada em 11 de dezembro de 2018, no Tribunal Superior do Condado de São Francisco, busca uma ordem judicial que preserve o controle da Igreja Metodista Unida sobre a propriedade fiduciária.

* Gilbert é um repórter multimídia do United Methodist News Service. Entre em contato com ela pelo telefone 615-742-5470 ou newsdesk@umcom.org. Para ler mais notícias da Metodista Unida, inscreva-se nos resumos diários ou semanais gratuitos.

** Sara Novaes é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Último artigo

Igreja Local
A Igreja Metodista Coy, em Preston, Mississippi, está entre as sete congregações do Mississippi que deixaram a denominação em 30 de junho. Cortesia da foto: Conferência Anual do Mississippi.

Sete igrejas do Mississippi deixam a denominação

A Conferência Anual do Mississippi votou para aprovar a partida de sete igrejas que pediram para deixar a denominação.
Conferência Anual
Clérigos e leigos da Conferência East Ohio usam seus cartões de votação durante a conferência anual de 2019 realizada na Lakeside Chautauqua. Eles usam cartões para votar em moções, resoluções e petições, mas realizam votação secreta para as eleições dos delegados. A conferência elegeu uma diversidade de delegados que apoiam e que se opõem ao Plano Tradicional. Foto de Brett Hetherington, comunicações da Conferência Anual East Ohio.

Eleições dos EUA assistem mudança nos delegados do GC2020

Meses depois de uma contundente Conferência Geral Metodista Unida em 2019, os eleitores da conferência anual dos EUA elegeram um grupo significativamente diferente de delegados para tomar grandes decisões em 2020.
Área Geral da Igreja
Os delegados Jorge Lockward e Revda. Beth Ann Cook se abraçam nos momentos finais da Conferência Geral Metodista Unida de 2019, em St. Louis. Os dois já haviam falado em lados opostos em um debate sobre possíveis planos de saída da igreja. As conferências dos EUA estão calculando quanto uma igreja deve pagar se ela sair de acordo com a legislação aprovada pela Conferência Geral. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

Congregações que saem enfrentam preços elevados

Para as congregações que querem deixar a Igreja Metodista Unida, uma separação também pode ficar muito cara.