Jovens Metodistas Unidos combatem cólera em Angola

Other Manual Translations: English

Em Luanda, capital de Angola, um surto de cólera no final do verão - uma infecção gastrointestinal aguda - preocupou os líderes da igreja local e as autoridades de saúde. Água e alimentos contaminados, incluindo peixes crus ou mal cozidos e mariscos, são causas frequentes da doença. Água suja e falta de saneamento são outros factores.

Em resposta, a Associação de Defesa Ambiental, Rede Ambiental Maiombe, mobilizou mais de 200 jovens para participar de uma campanha de prevenção. Vestidos com camisetas brancas, eles se juntaram a uma campanha de prevenção contra a cólera em Funda, uma cidade a 30 quilómetros do centro de Luanda. No município de Cacuaco, os jovens distribuíram hipoclorito de sódio, sabão, sacolas plásticas e panfletos informativos para as pessoas que moram perto do rio, área fortemente afectada pelo surto.

Recentemente, segundo a Angop-Angola Press, 16 novos doentes de cólera foram admitidos no hospital de Cacuaco, e três deles morreram. Desde que este surto começou, 65 pessoas sucumbiram à doença. No entanto, os incidentes reduzidos de cólera e as mortes causadas pela doença indicam que os esforços de conscientização estão colhendo resultados.

Mauro de Oliveira, um jovem adulto que participou na campanha, disse: “Como Metodistas Unidos, devemos apoiar as causas e problemas sociais em que as comunidades vivem. A experiência passada nos custou muitas vidas humanas. Perdemos muitos irmãos e irmãs quando a doença da febre-amarela atingiu nosso país. Agora que ouvimos falar deste surto de cólera, estamos aqui para dar o apoio necessário. Juntos, podemos superar essa doença”

O Conselho de Saúde da Igreja Metodista Unida continua a divulgar informações sobre a prevenção da cólera nos eventos da igreja local e nos cultos dominicais. As congregações convidam equipes médicas para fornecer assistência médica gratuita. As pessoas aprendem a se proteger da doença.

A igreja já não pode conseguir fornecer mais suprimentos. Contudo, em cooperação com o governo, os Metodistas Unidos continuam a sensibilizar e distribuir folhetos. Durante os cultos, pastores e outros falam sobre cólera.

Januário Augusto, presidente da Rede Ambiental Maiombe, prometeu continuar com as campanhas de consciencialização, especialmente durante a próxima estação chuvosa. Ele ressaltou “a necessidade de estar em estado de alerta com as pessoas que vivem em áreas vulneráveis da cidade.”

Augusto Bento é um Comunicador da Metodista Unida na Conferência Anual do Oeste de Angola.

 

Contacto de mídia para notícias: Vicki Brown, editora de notícias, newsdesk@umcom.org ou 615-742-5469. Para ler mais notícias da Metodista Unida, subscreva para o digest diário ou semanal.

Missão
Revma Bispa Joaquina Filipe Nhanala posicionada para a dedicação do furo de água na Liberdade. Com ela estão os superintendentes que auxiliavam no acto. Foto de Joao Sambo

Comunidade da Liberdade celebra a inauguração de um furo de água

Bispa Joaquina Filipe Nhanala dedica um furo de água durante a sessão da Conferência Anual de Moçambique Sul no Cargo Pastoral da Liberdade, do distrito de Maputo Sul.
Evangelismo
Reverendo Joao Aguiar, durante a conferencia de evangelizacao, falando para os delegados. Foto de Orlando da Cruz

Metodistas unidos do oeste de Angola realizam i conferência de evangelismo

Cerca de Duzentos e cinquenta delegados de 14 distritos que compõem a Conferência Anual do Oeste de Angola, estiveram reunidos de 16 a 19 de Outubro na igreja Metodista Unida de Icoloco e Bengo na 1ª Conferência de evangelismo e missões, numa organização do Centro de Estudos Teologicos- CETEO, com intuito de discutirem e encontrarem mecanismos para a evangelização.
Evangelismo
A Revda. Ingrid McIntyre conta a história da comunidade de microempresas para cuidados com moradores de rua em construção na Igreja Metodista Unida de Glencliff, em Nashville, Tennessee. Foto de Kathleen Barry, Notícias MU.

Igreja constrói micro aldeia natal para os sem-teto

As casas servirão como casas de transição para que os desabrigados possam se recuperar de problemas médicos enquanto aguardam por moradias permanentes.