Bispos começam a se reunir em um momento "caótico"

Other Manual Translations: English español
Bishop Ken Carter, president of the Council of Bishops, delivers the opening sermon that begins a week in which the bishops will discuss how they can walk alongside discussions about the denomination’s future. Carter also leads the Florida Conference. Photo by Heather Hahn, UMNS.

O bispo Ken Carter, presidente do Conselho dos Bispos, faz o sermão de abertura que dá início a semana em que os bispos discutirão como podem caminhar ao lado de discussões sobre o futuro da denominação. Carter também lidera a Conferência da Flórida. Foto de Heather Hahn, Notícias MU. 

Em meio a questões cada vez maiores sobre o futuro da Igreja Metodista Unida, o Bispo Kenneth H. Carter desafiou seus colegas episcopais a perguntar: Como podemos fazer a obra de Jesus no caminho de Jesus? 

A resposta, segundo sua pregação, é que os líderes da igreja deem boas vindas incondicionalmente, andem juntos e adorem constantemente. 

“Amigos, embarcamos na aventura de um encontro do Conselho de Bispos em meio a um momento turbulento e caótico”, disse Carter em seu sermão de abertura ao grupo que lidera como presidente. 

“Precisamos deixar este lugar diferente de quando chegamos. Algo precisa acontecer”. 

Mais de 120 bispos ativos e aposentados se reúnem esta semana no Hilton Rosemont para sua primeira reunião pública desde que a Conferência Geral Especial de 2019 viu a maioria dos delegados rejeitar o plano recomendado pela maioria dos bispos. 
 
Após um pedido da Conferência Geral de 2016 , os bispos convocaram a reunião especial do principal órgão de formulação de políticas da denominação para abordar a disputa de décadas sobre o papel dos indivíduos LGBTQ na igreja. 

No ano passado, no mesmo hotel, a maioria dos bispos recomendou o Plano Uma Igreja, que teria deixado questões de ordenação para conferências e questões de casamento até as igrejas locais e o clero individual.

Em vez disso, por uma votação de 438 a 384, os delegados adotaram o Plano Tradicional, que fortalece a imposição de proibições ao clero gay “praticante declarado” e aos casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Os delegados, por uma votação de 420 a 390, também aprovaram legislação de desfiliação que permitiria que as igrejas sob certas condições deixassem a propriedade. 
 
O resultado é que a denominação tem novas ferramentas de fiscalização e uma saída de emergência. Mas não tem consenso. 

Desde os votos de fevereiro, os Metodistas Unidos em toda a denominação multinacional - incluindo alguns bispos - têm estado em conversas a portas fechadas sobre a possível divisão da igreja . Conversas adicionais estão agendadas para o final deste mês.

Members of the Hallelujah Choir of First Korean United Methodist Church in Wheeling, Ill., rehearse ahead of opening worship at the Council of Bishops meeting in Chicago. Photo by Heather Hahn, UMNS.
Os membros do Coro Aleluia da Primeira Igreja Metodista Unida Coreana em Wheeling, Illinois, ensaiam antes da abertura do culto na reunião do Conselho dos Bispos em Chicago. Foto de Heather Hahn, Notícias MU.  
Carter, que também lidera a Conferência da Flórida, disse ao Serviço Metodista Unido de Notícias que os bispos precisam "acompanhar essas conversas, não controlá-las". 

Segundo ele, durante a semana os bispos terão suas próprias discussões sobre quais planos para o futuro da igreja estão surgindo atualmente. Ele acrescentou que os bispos também falarão sobre “como a Igreja Metodista Unida precisará se renomear em alguns lugares, dada a publicidade negativa e como também podemos apoiar os bispos em contextos muito tradicionais”. 

Muitas das discussões dos bispos não serão abertas para o público. 

Mas as opiniões divergentes dentro da denominação eram aparentes no jantar que se seguiu ao serviço de abertura. 

A bispa Sally Dyck lidera a Conferência do Norte de Illinois que está hospedando a reunião dos bispos. Ao cumprimentar seus colegas, Dyck fez questão de explicar o histórico de inclusão da conferência. 

Ela disse que a conferência, que celebra seu 180º aniversário neste ano, ordenou dois nativos americanos logo após sua fundação - apenas alguns anos depois que colonos brancos combateram as forças do Chefe Black Hawk sobre a terra que se tornaria Chicago. 
 
A conferência, ela disse, também elegeu Frances Willard como delegada da Conferência Geral. Ao eleger uma mulher, a conferência violou a política da igreja. A conferência se tornaria uma das primeiras denominações a desagregar e acolher os pastores do sul que buscavam a justiça racial.
 
Mais recentemente, em 1986, a conferência votou para se juntar ao grupo de defesa não-oficial Rede de Ministérios de Reconciliação para buscar a igualdade LGBT. 

"Esta conferência anual defendeu a plena inclusão de todas as pessoas em nossa sociedade, bem como a igreja", disse Dyck. “Agora esta conferência anual está lutando para descobrir como viver na Igreja Metodista Unida sob o Plano Tradicional”. 

No entanto, ela afirmou que esperava que os bispos tivessem experimentado a hospitalidade da conferência. Eles aplaudiram em assentimento.

Carter pregou aos bispos em João 21:1-19 , quando o próprio Cristo ressuscitado oferece hospitalidade - cozinhando para os discípulos um café da manhã com peixe frito e recebendo Pedro de volta ao redil depois das três negações anteriores de Pedro de que ele conhecia Jesus. 

 
A passagem também observa que os discípulos haviam trazido para a praia uma rede cheia de peixes, mas a rede não tinha rasgado. Carter interrompeu a leitura das Escrituras para salientar que a palavra grega usada para rasgado é cisma. 
 
"A maioria dos estudiosos acredita que o significado espiritual dessa frase é que a igreja permaneceu unida", disse Carter. 

Em seu sermão, ele enfatizou que a conexão, não as lágrimas de cisma, "é o coração do Metodismo".

"Quando (John) Wesley diz que não há santidade, mas santidade social, ele está dizendo que não há maneira de cumprir o grande mandamento além da conexão", disse Carter. "Não podemos ser discípulos à parte da conexão".

O bispo Bob Farr, cuja Conferência do Missouri mantém uma variedade de perspectivas sobre o Plano Tradicional, levou a sério a menção de cisma de Carter ao coração. 

"Acho que temos que definir o que significa estar juntos", disse ele. 

Ele disse que não acredita que a Igreja Metodista Unida possa permanecer unida na sua forma atual. 

“Mas vamos encontrar uma maneira de estarmos juntos como um povo chamado Metodista? Eu acho que sim”, disse. 

O bispo Daniel Wandabula, que lidera várias conferências na África Oriental, disse que ficou impressionado com a menção de boas-vindas de Carter.

"Precisamos receber todas as pessoas em uma igreja global em um mundo que é uma aldeia global", disse ele. “Devemos caminhar juntos, embora tenhamos culturas diferentes”. 

Carter concluiu seu sermão pedindo aos bispos que ainda conversassem com a igreja cuja conexão é tensa. "Precisamos dizer algo para a igreja, e isso não precisa ser uma palavra nossa", disse ele. “É preciso ser uma palavra do Senhor”. 


*Hahn é repórter multimídia do Serviço Metodista Unido de Notícias. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org . Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos diários ou semanais gratuitos .

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina@umcom.org

Área Geral da Igreja
Os bispos Thomas J. Bickerton (centro) e Gregory V. Palmer (à direita) conversam com colegas sobre procedimentos legislativos durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Bickerton é o representante do Conselho dos Bispos na Comissão da Conferência Geral. A Comissão da Conferência Geral - que se reuniu a portas fechadas - revisou uma investigação que encontrou evidências de quatro pessoas inelegíveis votando com as credenciais dos delegados que não estavam presentes. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

Votação indevida no GC2019 anula voto chave

Uma investigação sobre a Conferência Geral determinou que o número de eleitores inelegíveis era suficiente para afetar um voto sobre como as igrejas podem deixar a denominação.
Igreja Local
A polícia disse que um homem do Tennessee invadiu uma igreja em Milford em 1º de julho de 2019 e danificou a porta do escritório porque acreditava que a igreja e seu pastor "apoiavam e promoviam a agenda LGBT". Charles Yarbrough, 30, de Nashville, foi acusado de um crime de ódio, roubo e crime de propriedade. A Igreja Metodista Unida (IMU) Mary Taylor Memorial, no centro de Milford, proclamou que recebe membros da comunidade LGBTQ. Foto de Stock UMCOM.

Policiais de Milford: um homem do Tennessee invadiu a igreja por 'empurrar a agenda LGBT'

A polícia disse que um homem do Tennessee invadiu uma igreja em Milford e danificou uma porta do escritório porque acreditava que a igreja e seu pastor "estavam apoiando e empurrando a agenda LGBT".
Igreja Local
A Igreja Metodista Coy, em Preston, Mississippi, está entre as sete congregações do Mississippi que deixaram a denominação em 30 de junho. Cortesia da foto: Conferência Anual do Mississippi.

Sete igrejas do Mississippi deixam a denominação

A Conferência Anual do Mississippi votou para aprovar a partida de sete igrejas que pediram para deixar a denominação.