O Conselho Nacional das Igrejas de Cristo insiste em reduzir as tensões com o Irã

Other Manual Translations: español

A escalada das tensões com o Irã, provocada pela administração Trump, é profundamente preocupante. O Conselho Nacional de Igrejas incita fortemente o Presidente Trump a seguir um caminho de diplomacia e de negociações, marcado pela boa fé, a fim de evitar a guerra. Nós recebemos encorajamento dos relatos de que o presidente não busca a guerra com o Irã. Convocamos a Administração a cumprir integralmente os termos do Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), o “Acordo Nuclear Iraniano”, para retornar a uma política de diálogo e para remover navios de guerra e soldados desta região já frágil.

Desde o outono passado, quando o conselheiro de segurança nacional John Bolton dirigiu o secretário interino da Defesa, Patrick Shanahan, para desenvolver planos de ação militar contra o Irã, os EUA aumentaram as sanções impostas ao Irã depois de anunciar sua retirada do JCPOA. Um grupo de operadoras dos EUA foi movido para o Golfo Pérsico, como o Irã respondeu com ameaças para retomar o enriquecimento de urânio. Nesta semana, diplomatas dos EUA foram retirados do Iraque e o Departamento de Estado dos EUA emitiu um alerta de viagem desencorajando os americanos a viajar para o Iraque. São movimentos que indicam que os EUA estão se preparando para hostilidades armadas. Uma espiral descendente em direção à violência e mais desestabilização, culminando na guerra, parece estar no horizonte. No entanto, pouca evidência foi compartilhada que indica que o Irã está envolvido em um comportamento provocativo.

Relatos que altos funcionários veem pouca justificativa para essas ações hostis nos preocupam muito. "Não, não houve aumento da ameaça das forças apoiadas pelo Irã no Iraque e na Síria", disse o major-general Chris Ghika, um oficial sênior da coalizão anti-ISIS apoiada pelos EUA. O ministro britânico das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, declarou recentemente: “Estamos muito preocupados com o risco de um conflito acontecer por acidente, com uma escalada que não é intencional de qualquer um dos lados. Acima de tudo, precisamos garantir que não acabemos colocando o Irã de volta no caminho da re-nacionalização. “Enquanto isso, a Agência Internacional de Energia Atômica relatou recentemente que o Irã estava em total conformidade com sua parte do JCPOA”.

Da resolução do NCC de 16 de novembro de 2002:

Os Estados Unidos dominam o mundo militarmente e cada vez mais tentam fazê-lo politicamente. O CNI está especialmente preocupado com o fato de que, em seus objetivos, os EUA são cada vez mais militaristas e unilaterais na busca de objetivos políticos e econômicos... Estamos particularmente preocupados em ouvir respostas militares a preocupações políticas globais. Apelamos a esforços mais intensificados para usar todos os canais diplomáticos e outros canais internacionais possíveis para buscar a paz com justiça.

Pedimos que o governo Trump reduza rapidamente essas tensões com o Irã e retorne à conformidade com o JCPOA. Juntamo-nos aos nossos parceiros ecumênicos em oração e trabalho pela paz e compreensão nos próximos dias.

Minha angústia, minha angústia! Eu me contorço de dor! 
Oh, as paredes do meu coração! 
Meu coração está batendo descontroladamente; 
Não posso ficar calado; 
porque ouço o som da trombeta, 
o alarma da guerra.

O desastre ultrapassa o desastre, 
toda a terra é devastada. 
De repente minhas tendas são destruídas, 
e minhas cortinas em um momento.

Jeremias 4: 19-20 NRSV

 

* * Para ver o artigo original, em inglês, do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos Estados Unidos (NCCCUSA) clique aqui.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org