Igreja continua em luta com o voto da CG2019

Other Manual Translations: English español

A decisão da Conferência Geral Metodista Unida de 2019 não foi a última palavra para muitos na denominação. 

Aparentemente todos os dias surgem uma nova declaração pública em apoio ao povo LGBT e seu papel na Igreja Metodista Unida ou em defesa do Plano Tradicional, que afirma que a homossexualidade é “incompatível com o ensino cristão”. 

Pelo menos um pastor oficiou em um casamento entre pessoas do mesmo sexo, desafiando esse plano, que entra em vigor em janeiro. 
 
Enquanto isso, a Associação do Pacto Wesleyano, que apoia o Plano Tradicional, anunciou em 17 de maio que está criando um Fundo de Ministério da Conferência Central de US $ 100.000 para contrabalançar os planos de alguns Metodistas Unidos que dizem que vão reter o financiamento das conferências centrais porque acreditam que a maioria dos delegados de fora dos EUA apoiou o Plano Tradicional. Os primeiros US $ 200.000 dados ao fundo serão correspondidos. 
 
“Ao doar ao Fundo do Ministério da Conferência Central, os doadores podem ter a certeza de que o trabalho das igrejas e conferências anuais e centrais fora dos Estados Unidos não são adversamente afetados pelo conflito na Igreja da MU”, disse Keith Boyette, presidente da Associação do Pacto Wesleyano, em um artigo anunciando o fundo. 
 
Desde a Conferência Geral de 2019, uma queixa formal foi apresentada contra um pastor da Flórida que celebrou um casamento entre pessoas do mesmo sexo em 16 de março.

O Rev. Andy Oliver, pastor da Igreja Metodista Unida de Allendale, em São Petersburgo, Flórida, realizou a cerimônia para dois membros de sua congregação.

Dez dias depois, uma queixa formal foi apresentada contra Oliver com o bispo Kenneth H. Carter, líder episcopal da Conferência da Flórida. Uma reunião para resolver o assunto está agendada para o dia 29 de maio. A Notícias MU removeu o nome do reclamante de sua história após considerar o fato de que o reclamante foi identificado involuntariamente por outras fontes enquanto estava em um processo confidencial. A divulgação do nome de um reclamante pode ser usada em outras circunstâncias, e as Notícias da MU serão claras ao declarar seu raciocínio nessas situações.

Carter não quis comentar a queixa, mas enfatizou que o papel do bispo não é ser o juiz. 

"O bispo está lá para preservar os direitos tanto da pessoa que apresenta a queixa como da pessoa sobre a qual a queixa é apresentada para garantir um processo justo", disse Carter, que também é presidente do Conselho dos Bispos. 

Carter disse que a partir de 2016, ele desencorajou as pessoas a trazer reclamações relacionadas a pessoas LGBT e ministérios. 

“Mas nós procuramos justiça. As pessoas têm direitos. Eu vivo dentro do Livro da Disciplina”, afirmou.

O atual Livro de Disciplina proíbe os pastores Metodistas Unidos de oficiar em casamentos entre pessoas do mesmo sexo. O Plano Tradicional impõe penalidades obrigatórias aos pastores que oficiam em casamentos entre pessoas do mesmo sexo. As suspenções consistem em um ano sem pagamento pela primeira ofensa e término da associação à conferência e credenciais da igreja para uma segunda ofensa. 

O Livro da Disciplina também chama os julgamentos da igreja de “um expediente de último recurso” e mantém a porta aberta para “uma resolução justa” por meio de grande parte do processo de reclamação. O Plano Tradicional permite apenas resoluções, mas expande os requisitos para incluir uma declaração de danos envolvidos e de como a resolução os aborda. 
 
"Temos procurado fazer o nosso trabalho a partir de uma estrutura de justiça mais restaurativa", disse Carter.

Oliver disse que a Igreja Metodista Unida Allendale votou por unanimidade há dois anos para abrir o seu altar à casamentos para casais do mesmo sexo. 

“Esta é uma reclamação sobre uma escolha que fiz para seguir a Jesus e não sobre quem Deus me criou para ser. A esse respeito, está queixa empalidece em comparação com as queixas feitas contra meus colegas clérigos lésbicas e gays que têm sua própria personalidade e seu chamado posto em questão ”, disse Oliver. 

Ele acrescentou que os membros de sua congregação estão "entristecidos" porque um pastor fora de sua comunidade sentiu a necessidade de tentar controlar os ministérios que Allendale oferece às pessoas LGBT.

The Rev. Andy Oliver, pastor of Allendale United Methodist Church, officiated at the same-sex wedding of two members of his congregation. The wedding was March 16. Photo courtesy of the Rev. Andy Oliver.

O Rev. Andy Oliver, pastor da Igreja Metodista Unida Allendale, oficiou o casamento entre pessoas do mesmo sexo de dois membros da sua congregação. O casamento foi em 16 de março. Foto: cortesia do Rev. Andy Oliver.

"Eu não acredito que o amor entre pessoas do mesmo sexo seja pecaminoso. Muito pelo contrário, é algo que dá vida e é belo", disse Oliver. "Acredito que as pessoas LGBTQ são perfeitas à imagem de Deus. Nossas comunidades são abençoadas. Desejo mostrar ao mundo como é o amor através de seu compromisso com o outro. Não posso pensar em melhor testemunho de perseverança, coragem e fidelidade do que suas histórias", disse Oliver. 

A Revda. Anna Blaedel renunciou ao cargo de diretora do Wesley Center em a Universidade de Iowa, em abril, durante a Semana Santa. Blaedel enfrentou várias queixas depois de anunciar publicamente na Conferência de 2016 em Iowa que: “Eu sou uma homossexual praticante declarada voluntária”.

Em uma carta para a conferência depois de renunciar como ministra no campus, Blaedel disse: “Minha decisão está enraizada em dois anseios urgentes: a mudança de tempo e energia para escrever a minha tese, e para esculpir espaço para imaginar um futuro profissional e possibilidades denominacionais”. 

Algumas escolas, faculdades e universidades relacionadas à Metodista decidiram cortar os laços com a denominação. 

Os curadores da Universidade Baldwin Wallace, em Berea, Ohio, votaram unanimemente pelo fim da afiliação formal da escola com a Igreja Metodista Unida. Outras escolas relacionadas à Metodista Unida em Ohio, além disso deixaram clara sua infelicidade com as ações do órgão legislativo da igreja.

O Conselho de Administração da Universidade Drew está pedindo uma expressão mais inclusiva do Metodismo em resposta à Conferência Geral de 2019. Em uma declaração emitida em 20 de maio, os curadores também reafirmaram seu compromisso de receber estudantes, professores e funcionários LGBTQ.

O Conselho da Conferência de Nova York do Ministério Ordenado votou a favor de sua decisão de 2016 de que a orientação sexual não seria considerada na avaliação de um candidato ao clero. 
 
O conselho acrescentou um preâmbulo: “Lembrando a recomendação de John Wesley de 'não fazer mal', reafirmamos nosso compromisso de evitar prejudicar qualquer um de nossos candidatos e evitar prejudicar todas as comunidades com as quais estamos em aliança”. 
  
“Enquanto Deus continua chamando os candidatos LGBTQIA ao ministério, nosso comitê considerará em oração cada candidato sem preconceito ou fanatismo”, disse o Rev. K Karpen, membro do conselho e pastor da Igreja Metodista Unida de St. Paul e St. Andrew. 

A Primeira Igreja Metodista Unida em Omaha emitiu notícias quando o pastor declarou que a igreja permitiria casamentos entre pessoas do mesmo sexo, e a classe de confirmação decidiu adiar a adesão à igreja até que pessoas de todas as orientações sexuais tenham o direito de se casar na igreja local e servir como pastores. 

A Mainstream UMC, um grupo de defesa formado para apoiar o Plano Uma Igreja, anunciou que continuará seu trabalho por mais um ano até junho de 2020. 

“Acreditamos que a Igreja Metodista Unida está em uma encruzilhada de gerações e há um senso de urgência para moldar pensativamente o futuro”, disse uma declaração que anunciou que o grupo estava lançando um fórum on-line no Facebook para obter informações sobre como será um novo Metodismo.

A Rede de Ministérios de Reconciliação, uma organização que defende pessoas LGBT na Igreja Metodista Unida, tem 47 novas igrejas ou comunidades afiliadas desde a Conferência Geral de 2019. 

"Nós tivemos 5.073 novos Metodistas Unidos Reconciliando adicionando seus nomes ao nosso movimento", disse Jan Lawrence, diretora executiva da Rede de Ministérios de Reconciliação. "Eu não sei o número exato de igrejas e comunidades no processo, mas é mais de 100", afirmou.

Entre os metodistas unidos tradicionalistas, Boyette disse ter visto um aumento de 20% nas congregações para a WCA (Associação do Pacto Wesleyano) desde a Conferência Geral. “O WCA representa 1.800 igrejas e 140.000 Metodistas Unidos”, disse ele. 

 

* Gilbert é jornalista do Notícias MU. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org . 

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Área Geral da Igreja
Os bispos Thomas J. Bickerton (centro) e Gregory V. Palmer (à direita) conversam com colegas sobre procedimentos legislativos durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Bickerton é o representante do Conselho dos Bispos na Comissão da Conferência Geral. A Comissão da Conferência Geral - que se reuniu a portas fechadas - revisou uma investigação que encontrou evidências de quatro pessoas inelegíveis votando com as credenciais dos delegados que não estavam presentes. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

Votação indevida no GC2019 anula voto chave

Uma investigação sobre a Conferência Geral determinou que o número de eleitores inelegíveis era suficiente para afetar um voto sobre como as igrejas podem deixar a denominação.
Conferência Geral
O Gabinete de Conferência California-Nevada emitiu uma declaração rejeitando a desfiliação ou a retenção de contribuições em resposta ao Plano Tradicional aprovado pela Conferência Geral de 2019. Foto do Centro Metodista Unido da Conferência Califórnia-Nevada em Sacramento, Califórnia, cortesia da conferência.

California-Nevada diz não para retenção de fundos, e desfiliação

O gabinete divulgou uma declaração após um retiro no qual os líderes revisaram as ações e discussões da sessão da conferência anual.
Igreja Local
A polícia disse que um homem do Tennessee invadiu uma igreja em Milford em 1º de julho de 2019 e danificou a porta do escritório porque acreditava que a igreja e seu pastor "apoiavam e promoviam a agenda LGBT". Charles Yarbrough, 30, de Nashville, foi acusado de um crime de ódio, roubo e crime de propriedade. A Igreja Metodista Unida (IMU) Mary Taylor Memorial, no centro de Milford, proclamou que recebe membros da comunidade LGBTQ. Foto de Stock UMCOM.

Policiais de Milford: um homem do Tennessee invadiu a igreja por 'empurrar a agenda LGBT'

A polícia disse que um homem do Tennessee invadiu uma igreja em Milford e danificou uma porta do escritório porque acreditava que a igreja e seu pastor "estavam apoiando e empurrando a agenda LGBT".