Zimbábue enfrenta violência, e preços recordes de combustível

Other Manual Translations: English español

Metodistas Unidos no Zimbábue estão pedindo por orações pela paz em meio à violência que tirou vidas em todo o país, encerrou negócios e no início da semana, levou o governo a bloquear a internet do país.

"Numa situação em que a violência irrompeu, os programas da Igreja Metodista Unida foram afetados", disse o Bispo Eben K. Nhiwatiwa, que supervisiona os Metodistas Unidos no Zimbábue. "A livre circulação de pessoas para as igrejas foi difícil no auge dos distúrbios. Agradecemos a Deus por não termos ouvido falar de ferimentos ou perda de propriedades relacionadas aos membros da nossa igreja."

A partir de 17 de janeiro, ele disse que a situação estava voltando à normalidade. O serviço de Internet também retornou, mas ele pediu aos Metodistas Unidos que ainda orassem pelo povo do Zimbábue.

"É o papel da igreja continuar a orar pela paz em todo o país", disse ele. "Tem havido um descontentamento geral sobre os desafios econômicos que o país enfrenta. Mas nossa oração é que as pessoas evitem a violência e se manifestem pacificamente."

Durante toda a agitação que começou em 14 de janeiro, a Universidade Metodista Unida da África, perto de Mutare, Zimbábue, tem realizado aulas conforme o programado. Todos no campus estão seguros e o escritório da universidade em Harare continua a cuidar de estudantes internacionais, disse Munashe Furusa, vice-reitor.

A violência ocorreu longe do campus universitário pan-africano, nas principais cidades do país, Harare e Bulawayo. Os confrontos entre os manifestantes e as forças de segurança do Zimbábue provocaram pelo menos oito mortes deixaram outras 25 feridas em uma operação do governo contra os protestos nacionais, segundo informou a Anistia Internacional.

Os protestos começaram nas grandes cidades após o anúncio surpresa do presidente Emmerson Mnangagwa, em 12 de janeiro, de que o país, já exausto economicamente, veria um aumento de 150% nos preços dos combustíveis. A alta fez com que o preço da gasolina subisse de US $ 1,24 para US $ 3,31 por litro, o que torna o Zimbábue o lugar mais caro do mundo para abastecer um carro.

O tumulto levou as empresas a fecharem a companhia aérea local, Fastjet Zimbabwe, para cancelar os vôos.

Isso marca a segunda repressão desde a eleição de Mnangagwa no ano passado. Em 2017, após quase 10 anos de crise econômica, os líderes nacionais removeram o presidente Robert Mugabe, que por 37 anos liderou o que muitos chamam de "governo da tirania".

Mnangagwa tem lutado para conter os problemas econômicos do Zimbábue e tem enfrentado ataques de equipes médicas e ameaças de ação trabalhista por funcionários públicos nas últimas semanas.

A partir da noite de 14 de janeiro, o governo também bloqueou o acesso a sites populares de mídia social como WhatsApp, Facebook e Twitter. Os dois maiores provedores de serviços do país deram um passo à frente e fecharam o acesso de seus clientes a toda a Internet. A internet retornou para alguns em 16 de janeiro, mas o serviço permaneceu instável.

Alguns zimbabuenses viram o bloqueio como um esforço para suprimir os protestos, enquanto outros viram isso como uma precaução para evitar saques. Alguns saqueadores disseram à Al Jazeera que estavam aproveitando a oportunidade para estocar alimentos em vez de pagar os preços exorbitantes, resultado do aumento nos custos de combustível.

Em um revival no domingo, 13 de janeiro, o reverendo Oscar Mukahanana incentivou os fiéis a permanecerem calmos e em oração, porque a batalha não era deles. Mukahanana é superintendente em Harare East District. O tema do dia foi "Não temais". Muitos zimbabuanos têm permanecido em casa.

Na Conferência do Leste do Zimbabué, os professores das escolas Metodistas Unidas estão confinados, sem permissão para entrar ou sair dos campi. Na Conferência Oeste do Zimbabué, as escolas estão abertas, mas apenas em tempo parcial. Vários pais pegaram seus alunos quando a violência aumentou.

Alguns hospitais estão lutando para prestar cuidados porque muitos médicos não conseguem encontrar uma rota segura para o trabalho. Na semana passada, os médicos encerraram uma greve de 40 dias por melhores salários e condições sem um acordo.

No entanto, o ministério continua. Uma equipe de missão da Comunidade da Igreja Metodista Unida em Crofton, Maryland, chegou em segurança a Harare esta semana e desde então viajou para a cidade rural de Hanwa. Por mais de 20 anos, a congregação de Maryland trabalhou em parceria com o distrito rural de Murewa na Conferência Oeste do Zimbábue.

"Estou confortado pelo fato de que eles estão com amigos e agradecido por estarem em uma área rural, mas as orações certamente são apreciadas", disse Carol Moore, cujo marido Charlie está liderando a equipe missionária.

Os cinco missionários metodistas unidos e seis membros da Missão Global que servem no Zimbabué continuam a trabalhar. Esta semana, eles estão participando de um encontro missionário na África do Sul.

O Conselho de Igrejas do Zimbábue (Zimbabwe Council of Churches - ZCC), do qual a Igreja Metodista Unida é um membro chave, também está trabalhando."Estamos trabalhando com outras pessoas na ZCC para encorajar o diálogo, o que pode ajudar a elevar a bandeira da paz e do amor entre nosso povo como zimbabuanos", disse Nhiwatiwa. "É óbvio que a igreja deve continuar trabalhando e orando dia e noite por tais esforços para produzir frutos tangíveis de paz e harmonia".

Não se sabe quando todos os zimbabuanos poderão regressar aos negócios como de costume, particularmente nas áreas urbanas do país.

"Estamos seguros, mas estamos desconectados de todos os negócios", disse o reverendo Lancelot Mukundu, presidente do Centro de Missão Nyadire Metodista Unido na parte nordeste do Zimbábue, em 16 de janeiro. "Não podemos obter suprimentos. Nós não podemos usar nossos computadores. Nós não podemos viajar”. Ele acrescentou: "Nós realmente precisamos das orações de Deus".

 

* Hahn é repórter multimídia do United Methodist News Service, e Chingwe é coordenador de comunicações da Conferência Anual do Leste do Zimbábue. Tafadzwa Mudambanuki, gestor sénior das relações centrais da conferência nas Comunicações Metodistas Unidas, contribuiu para a matéria. Contate Hahn em (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org.

** Sara Novaes é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org.

Último artigo

Área Geral da Igreja
The Rev. Forbes Matonga. Photo by Paul Jeffrey.

Planos tradicionais mantêm status quo

Dois planos - o Plano Tradicional e o Plano Tradicional Modificado - apelam aos Metodistas Unidos que desejam manter o status quo na abordagem da igreja à homossexualidade.
Evangelismo
Seis estudantes da Escola Metodista Unida Murewa, no Zimbábue, foram selecionados para disputar a partida feminina da Associação Internacional de Futebol Cego no Japão, em 2019. Na primeira fila, da esquerda para direita, estão os alunos Fadzai Kimberley Nyakudya, Chengetai Chipanga e Monalisa Makoma; na fila de trás, da esquerda para direita, estão Teresa Mharadzirwa, a professora/guia Constance Tendere Munemo, Tanisha Zonde, a goleira Gellie Mawarire, Tarumbidzwa Taruvinga, o diretor esportivo Pilani Nyanhanda e Titus Tsiga. Foto de Chenayi Kumuterera, SMUN.

Jogadores de futebol cegos têm a oportunidade da vida

Seis estudantes da Murewa High School foram selecionados para participar da partida de futebol entre 20 e 24 de fevereiro: Taruvinga, Chengetai Chipanga, Kudakwashe Kundishora, Monalisa Makomo, Fadzai Kimberley Nyakudya e Tanisha Zonde.