Cadeira de rodas abre novas portas para menina na zona rural do Zimbábue

Other Manual Translations: English 한국어 español

Com um enorme sorriso no rosto, Portia Kasuso, de 11 anos, montou sua cadeira de rodas doada em meio a multidão enquanto o Bispo Metodista Unido Eben K. Nhiwatiwa e seu gabinete seguiam em recessão.

Portia nasceu com deficiência e foi abandonada pela mãe aos 3 anos. Ela nunca foi à escola e sonha em se tornar professora.

Crianças como Portia geralmente não têm a oportunidade de obter educação, porque as escolas nas áreas rurais não têm instalações para acomodar pessoas com deficiência.

Na última década, tudo o que Portia conheceu foi rastejando pela propriedade da família na zona rural de Chemapango.

"Eu só podia rastejar pelo nosso quintal até receber uma cadeira de rodas doada por Baba Bareyi", disse Portia, exaltada, falando de Raphael Bareyi, membro da Igreja Metodista Unida de Harare Inner City que doou a cadeira de rodas. “Agora eu posso andar!”

Bareyi doou cadeiras de rodas, que custam cerca de US $ 240, para idosos e deficientes em várias congregações em todo o Zimbábue.

"Portia realmente tocou meu coração quando a visitamos e senti o desejo de fazer algo a respeito", disse Bareyi.

Nhiwatiwa elogiou o gesto como o trabalho prático de Jesus para edificar os menos privilegiados em nosso tempo.

“Nós lemos nas Escrituras: Jesus Cristo eificou os coxos e aleijados. A doação de cadeira de rodas é o 'levantar e andar' do nosso tempo, usando tecnologia moderna”, afirmou.

Enquanto o bispo falava, Portia olhou com admiração para a congregação de 4.000 membros que convergiram da Conferência Oeste do Zimbábue e da Conferência das mulheres Rukwadzano Rwe Wadzimai, no acampamento de Murewa.

Mais de 20.000 Metodistas Unidos, principalmente mulheres, participam desses mega-avivamentos, que ocorrem em quatro locais diferentes: Murewa, Clare, Nyambeya e Mvuma.

"Ter Portia neste avivamento é uma evidência de quanto a igreja pode se tornar um lar para todas as pessoas, apesar de suas condições", disse Nhiwatiwa.

O reverendo Nyevero Musekiwa, pastor do circuito norte de Chivake em Murewa, disse que o sorriso de Portia conta tudo.

Portia acabou de ter o melhor dia da sua vida. Esta é sua segunda chance de participar de um culto na igreja, e de fato deve ser avassalador para ela”.

Musekiwa conheceu Portia durante uma visita pastoral em sua comunidade. Ele ficou impressionado com a jovem e providenciou transporte para ela assistir ao seu primeiro culto na igreja, onde ela foi batizada e recebeu a Sagrada Comunhão.

"Fiquei profundamente comovido com a situação dessa jovem e disse a mim mesmo que algo precisava ser feito", disse ele.

Portia Kasuso shakes hands with Bishop Eben K. Nhiwatiwa during a United Methodist revival service in Murewa. The young girl was a guest of honor at the service. “Having Portia at this revival is evidence of how much the church can become a home for all people in spite of their conditions,” Nhiwatiwa said. Photo by the Rev. Taurai Emmanuel Maforo, UM News.
Legenda: Portia Kasuso aperta a mão do Bispo Eben K. Nhiwatiwa durante um serviço de reavivamento Metodista Unido em Murewa. A jovem era uma convidada de honra no serviço. "Ter Portia neste avivamento é uma evidência de quanto a igreja pode se tornar um lar para todas as pessoas, apesar de suas condições", disse Nhiwatiwa. Foto do Rev. Taurai Emmanuel Maforo, Notícias MU. 

Portia nasceu com uma deficiência nos membros inferiores. Ela morou com os pais até que sua mãe a abandonou. Somia Kasuso, pai de Portia, é um agricultor de subsistência.

“Na nossa cultura africana, as pessoas ainda atribuem estigma às crianças nascidas com deficiência e acho que foi isso que afastou minha esposa, e me deixou cuidar sozinho da minha filha. Mas eu a aceitei como um presente de Deus e acredito que ela é como toda criança", disse ele.

Nos três anos seguintes, Kasuso de desdobrou como pai e mãe.

"Diariamente, eu alimentava, dava banho e vestia minha filha, até me casar novamente", disse ele.

Sua nova esposa, Chioneso Gazhawa, interveio para ajudar e trabalhou para obter uma certidão de nascimento para Portia.

"Eu aceitei a Portia como todas as outras crianças e me comprometi a dar a ela o mesmo amor que dou aos meus três filhos", disse sua madrasta.

Apesar dos cuidados que Portia recebe de sua família, ela viveu isolada de seus colegas.

"Ninguém vem brincar comigo", disse Portia, inclinando-se para a frente enquanto se mexia em uma posição confortável no assento da cadeira de rodas, "mas vou procurá-los andando na minha cadeira de rodas".

Gazhawa disse que a menina jovial demonstra altas habilidades intelectuais e físicas, apesar de sua condição.

“Agora ela pode varrer o quarto, recordar e cantar músicas de seu primeiro culto na igreja. ... Ela precisa de algum apoio para ir a uma escola para deficientes físicos”.

O bispo pediu à igreja e a outros que desejassem, a ajudá-la a realizar seus sonhos.

As escolas apropriadas ficam a quase 100 quilômetros de distância em Harare, então Portia precisaria ser educada em um local com internatos, que custaria entre US $ 1.500 e US $ 2.000.

“A cadeira de rodas é apenas o começo. Portia deve ir à escola como outras crianças. Que possamos chamar indivíduos, a igreja e aqueles com um coração para a missão, para abençoá-la com a melhor educação”, disse ele.

 

* Maforo é pastor e comunicador da Área Episcopal do Zimbábue. Contato com a mídia: Vicki Brown no 615-742-5470 ou newsdesk@umnews.org.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

 

Igreja Local
Ethel Sandy, coordenadora das Mulheres Metodistas Unidas (United Methodist Women - UMW), fala com os alunos da Albert Academy - a única escola secundária de meninos Metodistas Unidos em Freetown, Serra Leoa - sobre os perigos de trapacear nos exames. Foto de Phileas Jusu, Notícias MU.

UMW inicia campanha anti-trapaça nas escolas da igreja

Os membros das Mulheres Metodistas Unidas na Conferência de Serra Leoa iniciaram uma campanha anti-trapaça nas escolas Metodistas Unidas.
Missão
Filipa Vierra, bolsista da Federação Portuguesa de Mulheres Metodistas, toca violão na Igreja Metodista de Aguada de Cima, Porto. Foto cedida por Mulheres Metodistas Unidas (UMW).

Parceria com as mulheres metodistas de Portugal

A Federação Portuguesa de Mulheres Metodistas, com apoio das Mulheres Metodistas Unidas, oferece muitos programas que enriquecem as comunidades.
Discipulado

Confira como foi as celebrações dos 80 anos do no Cenáculo

Os dias 13 a 16 de junho ficaram marcados na história do no cenáculo, um livrinho que conta histórias reais vivenciadas por milhares de pessoas ao redor do mundo.