Conferência pergunta 'e se' a igreja enfrentou a crise das drogas

Other Manual Translations: English 한국어 español

Nota do editor: Este conteúdo é o primeiro de uma série em andamento sobre igrejas na Virgínia Ocidental que lidam com a crise das drogas.

Ann Hammond, membro do Templo Metodista Unido em Clarksburg, Virgínia Ocidental, uma pessoa viciada em heroína em recuperação, disse que sua igreja era um dos únicos lugares em que ainda sentia algum conforto durante sua luta contra o vício.

“As igrejas podem ajudar a quebrar o estigma e apoiar as famílias de viciados. Reconheça que pode ser qualquer família; o vício não conhece nenhuma classe”, disse Hammond, que agora tem 12 anos limpo e trabalha como técnico de recuperação de colegas para o First Choice Services, um centro de recursos de dependência.

A crise nacional das drogas superou as manchetes de notícias há muito tempo, mas ainda não é possível compreender um resumo das estatísticas.

As estatísticas mais recentes do Centro de Controle e Prevenção de Doenças mostram que houve 70.237 mortes por overdose nos EUA em 2017 - 47.600 delas relacionadas a opiáceos. Em comparação, o número total de mortes nos EUA durante a Guerra do Vietnã é de 58.200.

À luz de dados tão impressionantes, é difícil ver qualquer esperança em virar a maré do vício. Mas a Conferência da Virgínia Ocidental começou a perguntar: "E se a igreja se envolver?"

Durante a temporada de quaresma de 2018, a conferência criou a iniciativa “E se”: uma série de boletim de sete semanas com devocionais e questões de discussão incentivando as igrejas a se perguntarem o que poderiam fazer para enfrentar a crise - ajudando as pessoas a enfrentarem o vício ou ir para recuperação, ou as famílias daqueles que lutam contra o vício.

The Rev. Barry Steiner Ball, a retired agent of the Drug Enforcement Administration, heads an initiative of the West Virginia Conference of The United Methodist Church to help churches deal with the opioid crisis. Photo by Mike DuBose, UMNS.
O Rev. Barry Steiner Ball, um agente aposentado da Administração de Controle de Drogas , está liderando uma iniciativa da Conferência da Igreja Metodista Unida da Virgínia Ocidental para ajudar as igrejas a lidar com a crise dos opiáceos. Foto de Mike DuBose, SMUN. 

O Rev. Barry Steiner Ball está em uma posição única para liderar esta iniciativa, já que ele não é apenas um pastor, mas também um agente da Agência Antidrogas recentemente aposentado. Embora ele seja casado com a bispa Sandra Steiner Ball, ele é rápido em explicar que este não é um compromisso oficial.

"Sou voluntário e isso é uma paixão", disse ele. “Todos - governo, serviços sociais, bombeiros, polícia, serviços de proteção à criança, grupos de recuperação - estão fazendo o melhor que podem e ainda estão perdendo. Eu vi a necessidade de igrejas para responder à epidemia. Em todas as cidades, temos pelo menos uma igreja cheia de pessoas boas que precisam apenas de um pouco de educação e de um empurrão pela porta da frente”.

Steiner Ball lista uma série de ideias práticas do ministério que qualquer igreja poderia adotar:

• “Os membros da família precisam de um lugar para bater a cabeça na parede e pedir que alguém lhes diga: 'Você não é louco'. As igrejas podem encontrá-los e ministrar a eles em suas casas ou, melhor ainda, colocá-los em grupos com outros pais e formar grupos de apoio. E não apenas entregue a chave do porão e aponte-as para a cafeteira - esteja lá e conheça-as”.

• “Aqueles que estão em recuperação precisam de tudo o que você pode oferecer: amor, apoio, educação sobre como cozinhar, apoio ao trabalho, identidades, passeios, habilidades básicas para a vida. Eles vão sair dessas casas sóbrios e terão que viver por conta própria, talvez pela primeira vez”.

• “Os filhos dos viciados precisam de orientação, advogados especializados designados pelo tribunal, tutoria. Há cuidado de parentesco, e até mesmo considerar tornar-se pais adotivos”.

Não só o Steiner Ball é qualificado para isso, como também a Conferência da Virgínia Ocidental e seu bispo.

O estado da Virgínia Ocidental foi devastado pela epidemia dos opiáceos. Segundo o CDC, West Virginia em 2017 teve a maior taxa de mortes por overdose, com 57,8 para cada 100.000 pessoas. Em comparação, o vizinho Ohio ficou em segundo com 46,3.

Para a bispa Sandra Steiner Ball, isso é pessoal. Em um dos vídeos “E se?”, ela descreve como sua família tem um histórico de dependência, incluindo a perda de um irmão mais novo para o alcoolismo. "Ninguém falou sobre isso na minha família", disse ela.

Ela descreveu como sua igreja colocou seu irmão na lista de orações quando suas lutas se tornaram públicas, e alguns membros contataram seus pais com histórias de suas próprias dificuldades familiares - deixando sua família saber que eles não estavam sozinhos.

Ela sente que as igrejas também podem ajudar a apoiar viciados ativos. "Você precisa de alguém para acompanhá-lo e ajudá-lo em tempos difíceis, para ajudá-lo a depender de algo que envolve a vida, em vez de drogas".

Hammond disse que uma das coisas mais importantes que qualquer igreja pode fazer é simplesmente manter cartões ou panfletos com informações como números de telefone de uma linha de ajuda similar àquela em que ela trabalha.

"É tão importante para os dependentes ter essa informação imediatamente quando estão dispostos, porque isso vai mudar muito rapidamente se não os conseguirmos naquele momento", disse ela.

“E se?” provocou novas conversas nas igrejas do Rev. Cheryl George, incluindo ajudar uma mãe a se abrir sobre seu filho viciado quando ela sentiu que não tinha ninguém a quem recorrer.

“Em minhas igrejas, alguns disseram: 'Estou tão feliz por você estar falando sobre isso porque é isso que eu passo com minha família e não posso falar com as pessoas sobre isso porque elas não entendem'”, ela disse.

George, que pastoreia quatro igrejas na área de Baker, West Virginia, baseou uma série de sermões sobre os recursos “E se?”.

"Eu preguei graça e misericórdia, e olhei para as pessoas através dos olhos de Cristo, em vez dos seus", disse ela.

George disse que conhece várias igrejas que começaram os ministérios de recuperação graças a essa iniciativa, incluindo a realização de reuniões do Celebre a Recuperação ou o início de atividades para famílias de dependentes.

Como este é um problema de âmbito nacional e não apenas um problema da Virgínia Ocidental, Barry Steiner Ball tem liderado oficinas durante a conexão e também com igrejas de outras denominações.

Ele é apresentado a cerca de 150 igrejas, bem como agências de serviço social, instituições de caridade católicas e um retiro de homens presbiterianos. Ele agora está trabalhando com um distrito escolar que o apresenta a todo o seu pessoal durante um período de um ano.

"Eu vou a qualquer lugar, a qualquer hora", disse ele. “Eu só quero que as pessoas tenham uma visão de que não sairemos das portas da igreja e nos livraremos da heroína, mas podemos estar lá para apoiar e cuidar e permitir que as pessoas saibam que são filhos de Deus.”

 

* Butler é um produtor / editor multimídia do Serviço Metodista Unido de Notícias. Entre em contato com ele pelo telefone (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org . 

** Sara Novaes é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Missão
Um médico examina uma criança em um acampamento para pessoas deslocadas em enchentes no rescaldo do ciclone Idai, perto de Beira, Moçambique. Foto: REUTERS / Mike Hutchings (por favor, não reutilize).

'Agradecemos a Deus porque estamos vivos'

Os membros da Igreja Metodista Unida de Malanga se uniram às igrejas irmãs no Conselho Cristão ecumênico de Moçambique para um culto de solidariedade em 22 de março para dar apoio aos sobreviventes do ciclone Idai.