Muro da fronteira cortaria igreja histórica

Other Manual Translations: English español

A parede fronteiriça proposta pelo presidente Donald Trump poderia destruir um pedaço da história metodista e perturbar cemitérios sagrados nesta pequena área rural a pouco mais de um quilômetro do Rio Grande.
Na estrada principal, dois marcadores históricos são os únicos sinais de que a história se encontra em uma estrada de duas pistas atrás de um dique gramado.

Árvores e arbustos escondem a maior parte da visão de uma capela branca imaculada emoldurada por uma cruz de madeira marrom-escura brilhante. Cerca de uma milha ou mais do outro lado é a fronteira do México e do rio.

Jackson Chapel United Methodist Church in San Juan, Texas, is known as the first Spanish speaking Protestant Church in the Rio Grande Valley. The chapel held services until it was flooded in 2008. Photo by Mike DuBose, UMNS.

A Igreja Metodista Unida de Jackson Chapel, em San Juan, Texas, é conhecida como a primeira igreja protestante de língua espanhola no Vale do Rio Grande. A capela realizou serviços até que foi inundada em 2008.

Descendentes da família que vieram pela primeira vez a esta terra empoeirada do Texas estão esperando para falar com os Metodistas Unidos sobre um lugar que lhes é caro.

Ramiro, sua esposa, Melinda, e sua irmã, Sylvia Ramírez, falaram com membros da Força-Tarefa da Imigração Metodista Unida durante a reunião do grupo de 21 a 23 de janeiro em McAllen, Texas.

A reverenda Jeania Ree Moore, diretora de direitos civis e humanos da Junta de Igreja e Sociedade Metodista Unida e membro da força-tarefa, primeiro conectou a família aos oficiais da igreja quando as notícias de um local metodista histórico foram ameaçados pela proposta do Presidente Trump “muro de fronteira” que chegou a ela.

“A Igreja e a Sociedade defendem a justiça para imigrantes, povos indígenas e outros povos oprimidos, e a história e a realidade atual do rancho de Jackson em lutas pela justiça me pareceram singular e importante”, disse Moore.

Para maiores informações

Graveyard angel. Photo by Mike DuBose, UMNS

Para saber mais sobre o que está acontecendo com a capela e os cemitérios do rancho Jackson, contate Melinda Ramírez em melwalram@aol.com ou Sylvia Ramírez em mexicanbcf@yahoo.com.

A família contou ao grupo sobre sua luta para salvar a igreja e os cemitérios. Ramiro é o tataraneto de Nathaniel Jackson, ex-proprietário de escravos brancos, e sua esposa, Matilda Hicks, ex-escrava negra. O casal deixou o Alabama para escapar da discriminação e encontrou 5.000 acres de paz perto do Rio Grande.

Ramiro disse que Nathaniel e Matilda cresceram na mesma plantação no Alabama, brincaram juntos quando crianças e se apaixonaram quando jovens.

No rancho, uma comunidade multicultural prosperou. Suas terras se tornaram parte da Estrada de Ferro Subterrânea, ajudando os negros a fugirem para o México durante a era da Lei do Escravo Fugitivo. O presidente mexicano, Vicente Guerrero, que era de ascendência mista, aboliu a escravidão em 1829.

Com o tempo, a família Jackson começou a se casar com cônjuges de língua espanhola. Eli Jackson, filho de Nathaniel, vendeu uma parcela de terra para a Igreja Metodista por US $ 1. Jackson Ranch Chapel tornou-se a primeira igreja metodista de língua espanhola no Vale do Rio Grande. Manteve serviços até que foi inundado em 2008 pelo furacão Dolly.

Nathaniel e Matilda Jackson e seus descendentes estão enterrados no terreno e no cemitério de Eli Jackson, nas proximidades. Ambos os cemitérios são locais históricos do Texas. A Conferência Metodista Unida do Rio Texas também está no processo de pesquisar ambos os locais como possíveis locais históricos Metodistas Unidos.

"Eu achei tristemente irônico que este lugar sagrado, que era um refúgio para os afro-americanos que fugiam da escravidão, pudesse ser destruído para construir um muro que serviria para excluir imigrantes que fogem da violência", disse Rob Rutland-Brown, diretor executivo da organização Justiça nacional para nossos vizinhos. Ele também é membro da Força-Tarefa da Imigração Metodista Unida.

Bonnie Saenz Amaro, arquivista da Conferência do Rio Texas, acredita que há uma forte chance de os locais se qualificarem como locais históricos da Igreja Metodista Unida.

"Minha esperança é que, com essas designações históricas (do Texas), isso ajude a preservar esses locais para que não sejam destruídos pelo potencial muro", disse ela.

The Eli Jackson Cemetery in San Juan, Texas, is among historic cemeteries threatened by the proposed border wall between the U.S. and Mexico. Photo by Mike DuBose, UMNS.

Legenda: O Cemitério Eli Jackson, em San Juan, Texas, está entre os cemitérios históricos ameaçados pelo muro de fronteira proposto entre os EUA e o México. Foto de Mike DuBose, SMUN.

Ramiro e Melinda se prepararam para seus enterros com uma grande lápide gravada em baixo de uma árvore com sombra, e vista da pequena capela branca de Jackson. Ramiro carinhosamente restaurou a capela depois que ela inundou em 2008. Ele demonstra o sino da igreja e aponta um marcador histórico ao lado da igreja que marca o quão longe a fronteira mudou ao longo dos anos.

O que a igreja diz?

Nos seus Princípios Sociais, a Igreja Metodista Unida reconhece todas as pessoas, independentemente do país de origem, como membros da família de Deus e opõe-se a políticas que separem os membros da família uns dos outros.

Leia mais sobre a imigração e a igreja.

Junta Metodista Unida da Igreja e Sociedade

Mulheres Metodistas Unidas

Justiça para os nossos vizinhos

Recursos dos refugiados da UMCOR

Avanço da migração global # 3022144

O muro fronteiriço proposto atrapalharia seus planos para um local de repouso final pacífico.

 “Eu vi como o muro separou as famílias. Eu vi como o muro interrompeu lindas maravilhas naturais. E eu vi como o muro, bem como a militarização da fronteira e a implementação de certas práticas e procedimentos de imigração, causaram estragos na economia de comunidades e indivíduos ”, disse o reverendo Jack Amick, diretor de Desenvolvimento Sustentável com o Comitê Metodista Unido de Resposta. Ele também é membro da Força-Tarefa da Imigração Metodista Unida.

“Mas, até minha visita a El Capote (Jackson Ranch), nunca vi como o muro destruiria a história, interrompendo um lugar que é sagrado para povos indígenas, afro-americanos, falantes de espanhol e metodistas”, disse ele.

A família Ramírez contratou um advogado para representá-los. O advogado afirmou em uma carta que o muro de fronteira proposto cortará o acesso direto para visitantes interessados no significado histórico dos dois locais. Também cortaria os membros da família que querem visitar o local onde os entes queridos estão enterrados e podem impedir que as gerações futuras sejam enterradas lá.

“Se o objetivo do muro é proteger a terra natal, então a terra deste 'ninguém' entre a muralha e o Rio Grande resultará em proteção desigual para a área”, diz a carta.

A família foi informada dos planos para desmatar a 50 metros ao sul do dique, que afetará mais o Cemitério Eli Jackson, já que fica ao lado do dique, disse Ramírez.

Duas dispensas já foram arquivadas pelo Departamento de Segurança Interna para construir muros próximos, mas ainda não no segmento da fronteira que inclui o Cemitério Eli Jackson e a Capela e Cemitério de Jackson Ranch.

"Ainda não sabemos como teríamos acesso à área se um muro for construído", disse Melinda Ramírez.

Pessoas da tribo Carrizo Comecrudo do Texas acampam no Cemitério Eli Jackson há várias semanas, limpando o cemitério e consertando lápides. Eles acreditam que o cemitério é também o local de descanso de vários povos indígenas.

As sombras crescem enquanto o sol se põe e um vento forte levanta mais poeira sobre a terra que tem sido vigiada por centenas de anos por pessoas chamadas metodistas.

 

A U.S. flag flutters in the breeze outside the Eli Jackson Cemetery in San Juan, Texas. Descendants of the Jackson family are fighting to save the cemetery from being destroyed by a section of the proposed border wall along the Rio Grande. Photo by Mike DuBose, UMNS.

Uma bandeira dos EUA tremula na brisa do lado de fora do Cemitério Eli Jackson em San Juan, Texas. Descendentes da família Jackson estão lutando para salvar o cemitério de ser destruído por uma seção da parede fronteiriça proposta ao longo do Rio Grande.

 

* Gilbert é um repórter multimídia do United Methodist News Service. Mike DuBose é fotógrafo do United Methodist News Service. Entre em contato com eles pelo telefone 615-742-5470 ou newsdesk@umcom.org.

 

** Sara Novaes é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Último artigo

Igreja Local
Fachada atual do templo da Igreja Metodista Unida de Pemberton. O Bispo Francis Asbury pregou lá em 1772 e o primeiro edifício da igreja foi construído em 1775. Foto cedida pela Wikimedia.

Igreja Metodista em Pemberton comemora 250 anos, e é a terceira congregação mais antiga

Este ano marca o 250º aniversário da Igreja Metodista Unida de Pemberton, o que faz dela a terceira congregação mais antiga do país, e a comunidade comemorou este marco em um encontro de mais de 200 paroquianos.
Área Geral da Igreja
A Revda. Kim Cape, principal executiva do Conselho Metodista Unido de Educação Superior e Ministério, se aposenta em 1 de junho de 2019. Foto por Kathleen Barry, Notícias MU.

Cape se orgulha do trabalho de liderança na agência

"Estou em paz", disse a reverenda Kim Cape, cujo último dia será em 1 de junho, embora ela permaneça como consultora por alguns meses.