Em meio às lutas econômicas do Zimbábue, "Deus está fazendo maravilhas"

Other Manual Translations: English español

Em tempos de dificuldades, a igreja é mais do que nunca necessária para transformar indivíduos e comunidades com o evangelho da esperança e defender a justiça social. Talvez seja por isso que, apesar dos desafios sociais, econômicos e políticos, a Igreja Metodista Unida no Zimbabué continua a lutar pela sustentabilidade financeira, angariando fundos entre seus membros.

As pessoas compartilham tudo o que podem. Em vez de desistir em desespero, "elas trabalham juntas dentro das dificuldades de sua economia", disse o reverendo Alan Gurupira, assistente administrativo do bispo Eben K. Nhiwatiwa, da Área Episcopal do Zimbábue.

Por causa de sanções econômicas, o Zimbábue não pode negociar livremente. As pessoas lutam para sobreviver. No entanto, as pessoas doam à igreja e Deus transforma pequenas oferendas em montanhas gigantescas. “No Zimbábue, não é a questão da economia ser tão baixa”, disse Gurupira. “É uma questão de como o Senhor está trabalhando dentro da economia e dentro das pessoas. Se as pessoas tiverem a mente certa, a atitude certa, surpresas virão, como a surpresa que temos no Zimbábue. A economia é ruim, mas Deus está fazendo maravilhas”.

A Área Episcopal do Zimbábue conseguiu construir uma sede para a Conferência Oeste do Zimbábue em Harare, ao custo de US $ 1,2 milhões. Outra sede, para a Conferência Leste do Zimbábue, está sendo construída em Mutare, ao custo de US $ 2 milhões. Igrejas e casas paroquiais foram construídas em toda a área episcopal. Veículos para o ministério da igreja foram comprados.

Acima de tudo, o ministério e o serviço da igreja continuam a produzir resultados positivos em todo o país.

The Zimbabwe West Annual Conference head office. Photo by Priscilla Muzerengwa, UMNS.
Os escritórios da Conferência Anual do Zimbábue. Foto: Priscilla Muzerengwa, SMUN.

Para sustentar a igreja, os líderes desenvolvem estratégias que garantam comprometimento e contribuições de longo prazo. Mutsa Mujaji, presidente de administração e finanças da Conferência Leste do Zimbabué, sublinhou que a principal fonte de financiamento da igreja é a sua membresia. Os membros contribuem para o seu desenvolvimento e sobrevivência, com planos para a igreja ser auto-suficiente.

Historicamente, na África, os missionários iniciaram e administraram projetos da igreja com o objetivo de divulgar o Evangelho. Isso resultou na dependência de missionários. À medida que as estruturas de missão mudaram, a igreja foi forçada a tornar-se mais auto-suficiente e a mobilizar recursos internos.

"Os membros receberam treinamento. Para que a igreja seja avivada, os membros têm que ser animados", disse Gurupira, "e os membros têm que sustentá-la através da doação para a igreja". As pessoas doam porque estão cientes da necessidade de doar e da diferença que sua contribuição fará na missão da igreja, disse Mujaji.

As remessas feitas por circuitos são fundamentais para o bem-estar financeiro dos distritos e da conferência. Os dízimos, ofertas,  presentes de colheita e ação de graças dos membros são compartilhados proporcionalmente com base nas porcentagens definidas. O sistema conexionista metodista unido é vital para a saúde financeira da igreja.

Os Metodistas Unidos do Zimbabué, como os membros da igreja em todo o mundo, também ajudam a pagar os bispos Metodistas Unidos e outros ministérios da igreja global através de repartições.

“A força da Igreja Metodista Unida no Zimbábue e no mundo é determinada pelo nível de força dos elos que conectam todos os órgãos e partes da igreja”, disse Mujaji. “Quando os elos que formam a conexão são fracos ou ameaçados, toda a igreja está sob ameaça”.

O dinheiro é uma questão importante, acrescentou, porque as atitudes em relação a ele determinam o relacionamento de uma pessoa com Deus, o cumprimento do propósito e do caráter da vida.

“Por essa razão”, disse Mujaji, “nos reunimos de vez em quando para discutir como nós, cristãos, precisamos lidar com questões de dinheiro em nossa igreja”.

Os domingos foram mantidos desde cedo para arrecadação de ofertas missionárias.  Celebrar a oferta é um ato espiritual de adoração no qual todo crente participa ativamente. "Doar torna-se uma celebração quando o crente descobre a alegria da generosidade, que cresce a partir da graça de Deus", explicou Mujaji.

Os membros agradecem a Deus por novos bebês na família, pelo sucesso acadêmico das crianças, novos empregos e encontros de graça. Como resultado, a ação de graças tornou-se parte de todo culto de adoração.

The Rev. Alan Gurupira, administrative assistant to Bishop Eben K. Nhiwatiwa. Photo by Priscilla Muzerengwa, UMNS.
O Rev. Alan Gurupira, assistente administrativo do Bispo Eben K. Nhiwatiwa. Foto: Priscilla Muzerengwa, SMUN.

"Podemos pensar que nossos recursos financeiros são nossos", disse Mujaji. “Mas quando nos lembramos de que o tempo, a energia, a boa saúde e as oportunidades de emprego por trás desses dólares são todos presentes de Deus, vemos que os fundos pertencem a Deus. Nós somos os mordomos; Deus é o dono. Então, perguntas sobre o que ganhamos; como nós ganhamos; como nós poupamos, gastamos e doamos, tudo são questões de mordomia cristã ”.

Ensinar as pessoas a dizimar é um trabalho em progresso. Alguns membros compreendem completamente o conceito e já estão praticando. Em uma igreja do dízimo, os presentes se multiplicam, facilitando a sustentação dos programas da igreja.

“O dízimo foi prescrito como o primeiro passo da doação na Igreja Metodista Unida”, disse Gurupira. "Você não pode dar mais sem primeiro dar o seu dízimo."

Depois de entregar o dízimo, os membros também fazem promessas e servem a igreja de várias maneiras. A ação de graças da colheita marca o pico da doação no Zimbábue. Em preparação para essa celebração, lições, sermões e canções lembram as pessoas de seus encontros com Deus e suas razões para serem gratas. Por meio da colheita, milhões de dólares - mais de US $ 3 milhões em 2017 - são arrecadados.

Os membros organizam almoços de angariação de fundos, jantares dançantes e festas para arrecadar dinheiro para projetos de capital direcionados. Qualquer dinheiro arrecadado vai para o projeto designado, com pessoas fazendo doações separadas para tornar as festividades possíveis.

"Recebemos doações de pessoas: o óleo de cozinha, o arroz, a carne", disse Chipo Misi, líder leiga do Distrito Leste de Harare. "Eu posso doar 20 quilos de arroz, mas vou comprar o bilhete novamente por US $ 20". Tudo é feito no espírito de angariação de fundos, continuou ela. “O Evangelho tem que ir primeiro ao povo. Quando seus corações aceitam que Jesus é seu Senhor, e quando você sabe que você está fazendo tudo pelo Senhor, você o faz de todo o coração e feliz.”

Patricia Mapani Chisipiti, presidente dos projetos da Igreja Metodista Unida, disse que a igreja inclui uma seção transversal de pessoas de baixa e alta renda. É essencial para o sucesso da captação de recursos envolver todos os membros da igreja. “Garantimos que todos assumam a responsabilidade e aceitem contribuir para o programa”, disse Mapani. "Nenhuma contribuição é pequena demais para a causa."

Essenciais à mobilização de recursos e aumento de doações nas igrejas são responsabilidade, motivação e valorização. Os líderes da igreja fornecem visão e dinamismo que influenciam e inspiram os membros a serem comprometidos e produtivos. O Zimbábue tenta se sustentar internamente, levantando recursos necessários para fazer discípulos de Jesus Cristo para a transformação do mundo.

A igreja no Zimbábue aprecia o apoio contínuo dos parceiros no espírito do chabadza, disse Nhiwatiwa. A palavra Shona pode ser traduzida para pessoas em relacionamento trabalhando lado a lado para benefício mútuo.

“Um grande apoio está sendo recebido de congregações irmãs, distritos e áreas episcopais nos EUA e da Europa”, disse Gurupira. “A Área Episcopal do Zimbábue agradece o apoio de todas as nossas agências (Ministérios Globais, Educação Superior e Ministério, Comunicações) para fortalecer os programas da igreja. Estamos nos esforçando para ser um exemplo engenhoso para uma igreja autoconfiante na África.”

Muzerengwa é um comunicador para a Conferência do Leste do Zimbábue.

Contato com a imprensa: Vicki Brown, editora de notícias, newsdesk@umcom.org ou 615-742-5469.

Para ler mais notícias da Metodista Unida, inscreva-se nos resumos diários ou semanais gratuitos.

 

Último artigo

Missão
Lydia Chimonyo Estudantes da High School de meninas carregam baldes para coletar água em um poço em Chimanimani, Zimbábue. Não há água corrente na escola desde que o Ciclone Idai danificou a estação de tratamento da água da escola. Foto do Rev. Duncan Charwadza.

Igreja se mobiliza para ajudar os sobreviventes do ciclone

O Ciclone Idai deixou um caminho de destruição em Moçambique, Zimbabwe e Malawi, matando pelo menos 180 pessoas e danificando escolas Metodistas Unidas, igrejas, hospitais e casas.
Área Geral da Igreja
The Rev. Forbes Matonga. Photo by Paul Jeffrey.

Planos tradicionais mantêm status quo

Dois planos - o Plano Tradicional e o Plano Tradicional Modificado - apelam aos Metodistas Unidos que desejam manter o status quo na abordagem da igreja à homossexualidade.
Evangelismo
Seis estudantes da Escola Metodista Unida Murewa, no Zimbábue, foram selecionados para disputar a partida feminina da Associação Internacional de Futebol Cego no Japão, em 2019. Na primeira fila, da esquerda para direita, estão os alunos Fadzai Kimberley Nyakudya, Chengetai Chipanga e Monalisa Makoma; na fila de trás, da esquerda para direita, estão Teresa Mharadzirwa, a professora/guia Constance Tendere Munemo, Tanisha Zonde, a goleira Gellie Mawarire, Tarumbidzwa Taruvinga, o diretor esportivo Pilani Nyanhanda e Titus Tsiga. Foto de Chenayi Kumuterera, SMUN.

Jogadores de futebol cegos têm a oportunidade da vida

Seis estudantes da Murewa High School foram selecionados para participar da partida de futebol entre 20 e 24 de fevereiro: Taruvinga, Chengetai Chipanga, Kudakwashe Kundishora, Monalisa Makomo, Fadzai Kimberley Nyakudya e Tanisha Zonde.