Decisão do tribunal solicita revisões do plano GC2019

Other Manual Translations: English español

As modificações podem estar chegando ao Plano Tradicional Modificado. Os proponentes do Plano Tradicional e sua versão modificada relacionada ofereceram revisões à legislação que se dirige à Conferência Geral especial de 23 a 26 de fevereiro. 

Enquanto isso, os apoiadores do Plano Uma Igreja estão recomendando a exclusão de três sentenças nessa legislação. O objetivo, para todos os três planos, é abordar questões constitucionais que o Conselho Judicial, tribunal superior da Igreja Metodista Unida, identificou numa decisão do ano passado . 
 
Os planos estão entre as propostas que oferecem direções muito diferentes para a denominação, uma vez que está navega para uma potencial da igreja sobre a homossexualidade. 

Para entrar em vigor, quaisquer mudanças legislativas precisarão ser trazidas para a plenária e aprovadas pela maioria dos delegados quando a assembleia legislativa da denominação se reunir em St. Louis. 
 
Em sua Decisão unânime 1366 , o Conselho Judicial encontrou o Plano de Uma Igreja em grande parte alinhado com a constituição da denominação, mas encontrou mais questões constitucionais com o Plano Tradicional. Ambos os planos surgiram do trabalho dos bispos nomeados pela Comissão Um Caminho a Seguir . 
 
O Conselho Judicial optou por não se pronunciar sobre uma terceira proposta da comissão, o Plano da Conferência Conexional, porque já envolvia várias emendas à constituição da denominação. 

Como a Conferência Geral decidirá?

A Comissão da Conferência Geral - o órgão que planeja a grande reunião - anunciou um processo para ajudar os delegados a priorizarem a legislação. 

No primeiro dia da ação legislativa, 24 de fevereiro, os delegados serão basicamente convidados a classificar os planos e petições no quais gostariam de focar. Os delegados considerarão petições que incluem um plano como uma unidade e petições que não fazem parte de um plano individualmente. 

Os planos e petições serão listados um de cada vez nas telas de vídeo em ordem numérica pelos números das petições. Os delegados poderão então indicar se consideram cada um uma alta prioridade ou uma baixa prioridade, pressionando 1 ou 2 em seu dispositivo de votação.
 
Os resultados do ranking não serão mostrados até a conclusão do processo para todos os planos e petições. Nesse momento, o resultado de todos os rankings será projetado, com todos os planos e petições listados por porcentagem. 

Em 25 de fevereiro, dia em que todos os delegados se reunirem no comitê legislativo, eles trabalharão no aperfeiçoamento de planos e petições em ordem de prioridade. A legislação que receber uma votação afirmativa será levada ao plenário em 26 de fevereiro para posterior debate e votação final. 

Leia o comunicado à imprensa 
Leia sobre as linhas gerais desta Conferência Geral 

Para ser ratificada, uma emenda constitucional requer pelo menos dois terços dos votos na Conferência Geral e depois pelo menos dois terços de apoio entre os eleitores da conferência anual em todo o mundo. Outras petições nos planos requerem uma maioria simples. 

Todos os planos envolvem múltiplas petições, cada uma das quais buscando alterar diferentes partes do Livro de Disciplina - o livro de políticas da denominação. As petições originais propostas, sem as revisões recomendadas, podem ser encontradas no Advance Daily Christian Advocate . 

Atualmente, a Disciplina proíbe o clero gay "praticante declarado" e a bênção para uniões do mesmo sexo. No entanto, vários Metodistas Unidos violaram publicamente estas proibições .
 
O Plano Tradicional iria impor penalidades obrigatórias para quem não aderir à lei da igreja que proíbe os homossexuais praticantes declarados de servirem como clero, e clero de oficiar casamentos de mesmo sexo. 
 
O Plano de Uma Igreja deixaria as questões de ordenação LGBT para conferências, e casamentos entre pessoas do mesmo sexo para igrejas locais e clérigos individuais. Acrescentaria proteções para bispos e clero que, por uma questão de consciência, não podem oficiar tais ordenações ou uniões. 

O Conselho Judicial considerou as 17 petições no Plano de Uma Igreja como constitucionais, com exceção de uma sentença individual, cada uma em três petições. Os proponentes do Plano de uma Igrejadizem que essas sentenças simplesmente podem ser descartadas sem mudar a natureza da proposta.

“Penso que o Plano da Igreja Única continua a ser o plano para a unidade na Igreja Metodista Unida, que honra as consciências de todos, e cria para nós um futuro com esperança”, disse o Rev. Tom Berlin, que apresentou a legislação em nome da Comissão Um Caminho a Seguir. O plano tem o apoio da maioria dos bispos, bem como a afirmação da maioria dos membros da Comissão de encaminhamento. 

O reverendo Thomas Lambrecht, que apresentou o Plano Tradicional em nome da comissão, disse que o plano e a versão modificada relacionada asseguram a unidade da igreja no ensino e na prática. "Acreditamos em questões de moralidade sexual, é preciso haver um padrão para toda a igreja", disse ele. Segundo o reverendo, nos últimos cinco anos, ele viu o início do cisma dentro da denominação. "Para restaurar a unidade, precisamos voltar a operar sob um único padrão", disse ele. “A moralidade sexual é um componente muito importante da vida cristã, tanto nas escrituras como na experiência pessoal”.

O Conselho Judicial confirmou as penalidades obrigatórias do Plano Tradicional para oficiar uniões do mesmo sexo como constitucionais. No entanto, o tribunal decidiu que certas partes do plano se desviaram da constituição em questões do processo, elevando a adesão aos requisitos relacionados à homossexualidade acima de todos os outros requisitos. 

Das 17 petições do plano, o tribunal determinou sete inconstitucionais e identificou partes inconstitucionais em duas outras. Lambrecht, em 1 de fevereiro, anunciou revisões a esse plano e partes relacionadas no Plano Tradicional Modificado para trazê-los de acordo com a decisão. Especificamente, ele e outros partidários do plano recomendaram a derrubada de três petições que criaram um novo órgão, o comitê de relações do conselho, dentro do Conselho dos Bispos, para responsabilizar os colegas bispos. 
 
Em vez disso, os apoiadores do plano estão sugerindo a substituição de uma petição do Plano Tradicional Modificado que cria um novo Comitê Global de Episcopado para responsabilizar os bispos e as conferências. Essa petição também precisaria ser modificada para excluir a referência ao comitê de relações do conselho.

Os apoiadores do Plano também sugeriram a revisão de uma petição do Plano Tradicional relacionada à ordenação que inadvertidamente omitiu a palavra “praticante” da frase “auto-declarado homossexual praticante”.  

Várias revisões dos planos Tradicional e Tradicional Modificado também exigiriam a manutenção da Disciplina em sua totalidade. Lambrecht e outros apoiadores sugerem a substituição de parte do Plano Tradicional por uma petição do Plano Tradicional Modificado que trata da implementação de provisões.

A petição, com as mudanças recomendadas, exige que os bispos e as conferências certifiquem que defenderão, aplicarão e manterão todos os padrões disciplinares. A petição também exige que, a partir de 2021, o Conselho Geral de Finanças e Administração - a agência financeira da denominação - não receba nem envie fundos para conferências que não se comprometam a defender a Disciplina até formarem uma igreja autogovernada. 

Da mesma forma, a petição diz que os bispos que não podem afirmar sua disposição em defender e fazer cumprir a Disciplina não receberiam dinheiro da igreja em geral para despesas como viagens, escritórios ou moradias.

O plano também exige que a agência financeira impeça essas conferências de usar o nome Metodista Unido e a insígnia de cruz e chama, exceto sob um acordo de concordata. Diz que as conferências que optam por se retirar da Igreja Metodista Unida receberiam uma subvenção única de 200.000 dólares para ajudar a custear as despesas de transição. 

A versão modificada também exige que as disposições entrem em vigor no adiamento da Conferência Geral especial, em vez de 1º de janeiro de 2020.  

Por fim, Lambrecht incita os delegados a aprovarem um dos planos de saída que permita às congregações deixarem a denominação sem pedir aprovação sua conferência anual. O Conselho Judicial estará presente na Conferência Geral Especial e poderá ser novamente pedido para ponderar sobre a legislação. 

Sob a constituição da denominação, um quinto dos delegados da Conferência Geral ou a maioria dos bispos pode pedir ao Conselho Judicial que decida sobre a constitucionalidade de qualquer ação da Conferência Geral. 

 
* Hahn é repórter multimídia do United Methodist News Service. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org . Para ler mais notícias da Metodista Unida, inscreva-se nos resumos diários ou semanais gratuitos .

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

 

Último artigo

Área Geral da Igreja
O Bispo Grant Hagiya, à direita, abençoa o Bispo aposentado David Yemba como parte da renovação dos votos de batismo dos bispos no final da reunião do Conselho dos Bispos da primavera. Hagiya lidera a Conferência California-Pacific e Yemba atua na República Democrática do Congo. Foto de Heather Hahn, Notícias MU.

Bispos planejam explorar 'novas formas de unidade'

Confrontados com as consequências de uma divisão geral da Conferência, os bispos Metodistas Unidos disseram que se juntariam a outros membros da igreja para explorar novas possibilidades para o futuro da denominação.
Área Geral da Igreja
O bispo Ken Carter, presidente do Conselho dos Bispos, faz o sermão de abertura que dá início a semana em que os bispos discutirão como podem caminhar ao lado de discussões sobre o futuro da denominação. Carter também lidera a Conferência da Flórida. Foto de Heather Hahn,  Notícias MU.

Bispos começam a se reunir em um momento "caótico"

Mais de 120 bispos ativos e aposentados se reúnem esta semana no Hilton Rosemont para sua primeira reunião pública desde que a Conferência Geral Especial de 2019 viu a maioria dos delegados rejeitar o plano recomendado pela maioria dos bispos.
Área Geral da Igreja
As mensagens de apoio aos estudantes LGBTQ cobrem a cruz e a chama da Metodista Unida em um corredor da Escola de Teologia de Boston depois que a Conferência Geral especial votou para afirmar e fortalecer as regras da denominação contra o clero gay e os casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Foto de Anastasia Kidd, Escola de Teologia de Boston

Líderes do seminário enfatizam inclusividade após o GC2019

Líderes da maioria dos seminários Metodistas Unidos nos EUA que treinam o clero para a denominação estão enfatizando suas políticas inclusivas após a Conferência Geral especial ter afirmado as proibições LGBTQ da igreja