Igreja aguarda decisão sobre apelo de hóspede no santuário

Other Manual Translations: English

Nelson Pinos - proprietário, trabalhador em tempo integral e contribuinte - foi informado de que “não era uma prioridade de deportação” quando fazia o check-in periodicamente, conforme exigido pela Imigração e Fiscalização Aduaneira.

Quando isso mudou no final de 2017, o homem de 45 anos, pai de três filhos, cidadão norte-americano, buscou refúgio na Primeira Igreja Metodista Unida de Summerfield em New Haven, Connecticut, em vez de deixar sua família e retornar ao Equador.

A Revda. Vicki Flippin, pastora da Primeira Igreja Metodista Unida de Summerfield, estava entre os membros da "Equipe Nelson" que viajou para Minnesota para uma audiência em 14 de maio no tribunal federal de apelações .

Nenhuma decisão imediata foi emitida pelo tribunal, mas eles continuam esperançosos, disse ela.

Flippin e vários outros de Connecticut participaram de uma vigília de oração em frente ao tribunal em St. Paul na parte da manhã, organizada pela Coalizão Inter-Religiosa sobre Imigração, uma organização local de direitos dos imigrantes.

“Enquanto entramos no tribunal, havia cerca de quatro ou cinco apoiadores que estavam do lado de fora e seguravam cartazes… apoiando Nelson e apoiando os direitos dos imigrantes em geral”, disse Flippin.

O recurso baseia-se em um incidente ocorrido em 1994, quando as autoridades de imigração detiveram Pinos, então com 19 anos, por breves momentos durante uma visita a Minnesota. Mais tarde, um aviso para uma audiência no tribunal foi enviado para um endereço em Minnesota, mas Pinos, que morava em Nova York, disse que nunca o recebeu. Uma ordem de deportação foi emitida em sua ausência e Pinos não estava ciente da situação até 2012, quando solicitou status legal.

Legenda: Filhas de Nelson Pinos, Kelly e Arlly, falam em uma vigília de oração em frente ao tribunal em St. Paul, Minn. Foto de Mary Elizabeth Smith.

Uma declaração do ICE disse que um juiz federal de imigração emitiu uma ordem final de remoção para Pinos em 2015, conforme informou a Associated Press . Pinos foi autorizado a se reportar periodicamente para a agência de imigração depois de fornecer provas de que ele pretendia cumprir a ordem, disse o comunicado. A ordem de remoção ainda estava em vigor no momento da audiência.

Advogados do Centro Esperanza de Direito e Advocacia, em Connecticut estavam presentes com Pinos na audiência. Em um comunicado de imprensa anterior, Tina Colon Williams, que discutiu o caso em 14 de maio, observou que Pinos nunca teve seu dia no tribunal de imigração e fez o apelo “na esperança de ter a oportunidade de ser ouvido antes de ser removido do país e separado indefinidamente de sua família”.

Ter suas duas filhas adolescentes, Arlly e Kelly, no tribunal ajudou a humanizar seu caso, observou Flippin. “Tina pediu para eles se levantarem e eu acho que a presença deles era realmente importante. Acho que mudou o teor do tribunal quando foram apresentados”, afirmou.

Um artigo sobre a audiência no Star-Tribune também apontou para as “facetas complicadas da lei de imigração” repetidamente citadas por Julia Tyler, representando a Procuradoria Geral dos EUA, em discurso contra Pinos. Em resposta, o Star-Tribune informou que o juiz Roger L. Wollman disse que não poderia segui-la nesses pontos. "Eu duvido que os Nelsons do mundo entendam eles", teria dito.

Flippin concorda com essa avaliação. "É tão complicado", disse ela sobre a lei de imigração. “As pessoas estão nesses momentos de crise e intimidação quando não sabem o que está acontecendo. Eu senti que essa história foi definitivamente contada no tribunal”.

Pela sua conta, mais de 40 pessoas estão atualmente vivendo no santuário em locais de culto em todo os EUA, e 10 das pessoas visadas pelo ICE estão nos espaços Metodistas Unidos.

O bispo de São Francisco, Dom Minerva Carcaño, disse ao Notícias Metodistas Unidas que esses 10 migrantes “enfrentam o dilema de estar em uma lista iminente de deportação para lugares no mundo onde sua segurança e até vidas estão ameaçadas”. 

Congregações Metodistas Unidas que se uniram à comunidade ecumênica. O New Sanctuary Movement está fazendo “o trabalho duro” de se preparar para receber os necessitados, disse ela.

Além de proporcionar um espaço habitável, as congregações devem treinar voluntários para prestar cuidados básicos a alguém que possa permanecer com eles por um longo período. “Os voluntários levam comida, levam seus filhos à escola, tratam de outras necessidades que possam ter, mas acima de tudo, tornam-se uma comunidade de amizade e até de família para o irmão ou irmã imigrante”, explicou o bispo.

“No processo de providenciar refúgio, os Metodistas Unidos deram testemunho do fato de a sua fé ter sido fortalecida pela fé e amizade dos que acolheram”, disse Carcaño.

As congregações também defendem em nome daqueles nos santuários - como First e Summerfield - ou outros que possam ser alvo de deportação.

Flippin disse que ficou feliz ao ouvir que o Senado do Estado de Connecticut  acabou de aprovar uma lei  que colocaria restrições adicionais sobre como a polícia local e os funcionários do tribunal trabalham com a ICE para deter imigrantes indocumentados.

Enquanto isso, a esperança é que o caso de Pinos seja reaberto e ele receberá uma suspensão para que possa deixar a Primeira Igreja Metodista de Summerfield e voltar para casa, disse ela.

"É um momento difícil de esperar", acrescentou Flippin. "Há tanta coisa em jogo nesta decisão".

 

* Bloom é editora assistente de notícias do Notícias Metodistas Unidas e está localizada em Nova York. Siga-a em https://twitter.com/umcscribe ou entre em contato com ela pelo telefone 615-742-5470 ou newsdesk@umnews.org.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina@umccom.org

Último artigo

Preocupações Sociais
Metodistas Unidos seguram sinais após discussões em Luanda, Angola, sobre propostas da revisão dos Princípios Sociais da Igreja Metodista Unida. Foto por Orlando da Cruz, UMNS.

Metodistas Unidos Angolanos avaliam os Princípios Sociais

As sessões de escuta dos Princípios Sociais em Angola e outros países africanos visam garantir que a revisão inclua o contexto global.