Bispos planejam explorar 'novas formas de unidade'

Other Manual Translations: English 한국어 español

Confrontados com as consequências de uma divisão geral da Conferência, os bispos Metodistas Unidos disseram que se juntariam a outros membros da igreja para explorar novas possibilidades para o futuro da denominação.

Mas neste momento, eles veem seu papel mais como escutadores do que dirigentes da conversa na igreja.

"Há um senso entre o conselho de que estamos em tempos insustentáveis", disse o Conselho dos Bispos em uma declaração de 9 de maio à igreja. "Para este fim, o conselho está explorando modelos e planos de novas formas de unidade''.

Os bispos passaram grande parte da reunião de 4 a 9 de maio em sessão fechada processando o que aconteceu na sessão especial de fevereiro do principal órgão legislativo da denominação.

Eles também trabalharam na elaboração de sua carta pastoral para uma denominação multinacional que poderia estar se dirigindo para um rompimento com visões diferentes do papel das pessoas LGBT na igreja.

“Todo o conselho é chamado a uma temporada de escuta profunda”, dizia a carta dos bispos. “Lamentamos a quebra em nossos relacionamentos e confessamos que somos cúmplices nisto”.

Os bispos realizaram outras ações relacionadas à Conferência Geral especial em St. Louis.

  • Eles pediram ao Conselho Judicial, o principal tribunal da denominação, para esclarecer o "significado, aplicação e efeito" da legislação promulgada pela Conferência Geral de 2019.
  • Eles nomearam 11 de seus membros para servir em uma equipe de escuta para acompanhar conversas que já acontecem sobre o futuro da denominação.
  • A comissão executiva dos bispos solicitou uma investigação independente sobre alegações de irregularidades na votação da Associação Geral. A Comissão da Conferência Geral de março anunciou que faria sua própria investigação.

Os bispos também concordaram em apoiar um movimento em direção a uma nova estrutura dos EUA que lide apenas com questões dos EUA, semelhante ao atual Comitê Permanente sobre Assuntos da Conferência Central, que lida com assuntos que afetam a igreja na África, Filipinas e Europa.

Há três anos, os delegados da Conferência Geral pediram aos bispos que encontrassem um meio de a Igreja permanecer unida em meio a intensas disputas sobre a inclusão LGBT e a interpretação bíblica.

Ouvintes servos

O Conselho dos Bispos nomeou uma Equipe de Escuta Serva para acompanhar as conversas que acontecem sobre o futuro da denominação. 
A equipe será convocada pelo Bispo Kenneth H. Carter, presidente do Conselho dos Bispos, e pela Bispa Obispa Cynthia Fierro Harvey, presidenta eleita. Os outros membros da equipe são Bispos Rudy Juan, Hee-Soo Jung, Bill McAlilly, Cynthia Moore-Koikoi, Bruce Ough, Harald Rϋckert, Elaine Stanovsky, James Swanson e John Yambasu.

Mas em fevereiro, a maioria dos delegados da Conferência Geral rejeitou o Plano Uma Igreja, recomendado pela maioria dos bispos. Esse plano teria deixado questões de ordenação para as conferências, e casamento entre pessoas do mesmo sexo para igrejas e clérigos individuais.

Em vez disso, por uma votação de 438 a 384, os delegados adotaram o Plano Tradicional, que mantém a postura da denominação de que a prática da homossexualidade “é incompatível com o ensino cristão” e fortalece a proibição de clérigos homossexuais praticantes declarados e casamentos entre pesoas do mesmo sexo.

Os delegados também aprovaram legislação para permitir que as igrejas, sob certas condições e acordos financeiros, deixassem a denominação com sua propriedade.

Desde então, várias igrejas e até conferências nos EUA e na Europa Ocidental anunciaram planos para resistir ao Plano Tradicional. Líderes da igreja em regiões eclesiásticas na África e na Europa Oriental também falaram de relações tensas com os parceiros ministeriais no Ocidente.

A doação denominacional também está em baixa - especialmente nos Estados Unidos, que fornece a maior parte do financiamento para os ministérios gerais da igreja.

Moses Kumar, principal executivo do Conselho Geral de Finanças e Administração da denominação, deu o alarme. Ele disse aos bispos que, se as tendências atuais continuarem ao longo do ano, a taxa de coleta dos EUA para o fundo que apóia os bispos cairá para 76,3%. Para o fundo que apóia o trabalho da maioria das agências e outros ministérios globais, a taxa de coleta dos EUA será de 74,4%.

Videos da reunião

O Rev. Todd Rossnagel, director de comunicações de la Conferência Anual de Louisiana, produziu videos durante a reunião do Conselho de Bispos em 5 e 9 de maio.

Veja os videos aquí.
Visita a página do Conselho do Bispos no Facebook.
Leia o comunicado de imprensa (no inglês). 

Essa é uma taxa mais baixa do que a observada em 2009, durante a recente recessão econômica global, quando a taxa de coleta caiu para 84%.

Mas, em meio a esse tumulto, vários bispos expressaram esperança por um futuro mais brilhante, liderado pelo Espírito Santo.

O bispo Kenneth H. Carter, presidente do Conselho dos Bispos, disse à Notícias Metodistas Unidas que o que ele está ouvindo das pessoas em torno da conexão é que “Deus está fazendo algo novo”.

“Algo está morrendo, e algo novo está nascendo, Disse Carter, que também lidera a Conferência da Flórida. "Eu não conheço muitas pessoas que querem manter o status quo".

Ele disse que os Metodistas Unidos lutam por ser uma denominação global que abrange as vastas desigualdades econômicas e diferenças culturais entre os Estados Unidos, a Europa, as Filipinas e a África.

"Estou ouvindo o desejo de permanecer uma igreja global, mas talvez uma igreja global de uma maneira diferente", disse Carter.

Vários bispos desejaram que sua declaração de 9 de maio oferecesse solidariedade aos membros da igreja LGBT que se sentem prejudicados pela ação da Associação Geral.

Entre eles estava o bispo aposentado Fritz Mutti. Ele se levantou durante a sessão da tarde de 8 de maio para homenagear seus dois filhos gays, Tim e Fred, que agora estão mortos.

“Eles foram batizados na Igreja Metodista Unida, praticaram a sua fé e foram chamados de pessoas de valor sagrado. No entanto, a igreja também os declarou incompatíveis com o ensino cristão ”, disse ele aos seus colegas bispos.

“Neste momento, queremos que você saiba que nos sentimos chamados a apoiar publicamente a comunidade LGBT e continuaremos a defendê-los”.

Durante a sessão aberta de 9 de maio, outros bispos falaram de suas dores e esperanças.

Retired Bishop Albert Frederick “Fritz” Mutti III speaks to the Council of Bishops about his late sons, Tim and Fred, and why he feels called to speak in support of LGBTQ people. Photo by Heather Hahn, UMNS.

O Bispo aposentado Albert Frederick “Fritz” Mutti III, fala ao Conselho dos Bispos sobre seus falecidos filhos, Tim e Fred, e por que ele se sente chamado a falar em apoio ao povo LGBT. Foto de Heather Hahn, Notícias MU. 

O bispo Bill McAlilly, que lidera as conferências de Tennessee e Memphis, disse que os bispos precisarão de discernimento, coragem para falar sobre divisões teológicas e capacidade de suportar nos próximos dias.

Ele acrescentou que queria superar a noção de que “se você não está conosco, você está contra nós”.

“Eu quero me lembrar de que Jesus foi crucificado no meio do Calvário”, disse ele. “Acredito que é nosso chamado manter essa tensão para que Deus possa nos mostrar como ele se move neste lugar.”

O Bispo Rudy Juan, que lidera a Área de Davao no sul das Filipinas, observou que os Metodistas Unidos do seu país falaram no passado sobre formar uma igreja autônoma.

"Mas neste momento, queremos caminhar com você, trabalhando para ser uma igreja unida", disse ele.

O Bispo Mande Muyombo, que lidera a Conferência do Norte de Katanga no Congo, disse que desde fevereiro, tem sido difícil para os membros da igreja na África também.

“Mas também lembro que a África é a terra de Nelson Mandela. A África é a terra de Desmond Tutu”, disse Muyombo, que também é secretário do Conselho dos Bispos. “Portanto, não desista de nós”.

Deve-se notar que tanto Mandela quanto Tutu, renomados por sua luta contra o apartheid racial na África do Sul, também lutaram contra a discriminação LGBT.

Ainda assim, as tensões na unidade eram aparentes mesmo quando os bispos falavam de suas esperanças para a igreja.

A bispa Sue Haupert-Johnson, que lidera a Conferência do Norte da Geórgia, expressou sua aflição por colegas da África, Europa e Filipinas terem renunciado a um horário programado para se encontrar com uma coalizão de líderes que defendiam o Plano Tradicional.

"Eu acho que isso é uma intrusão em nosso relacionamento e intrusão em nossa autoridade como bispos", disse ela. “Eu quero desesperadamente que representemos uma igreja aberta a todas as pessoas e quando discordamos sobre teologia, não punimos uns aos outros.”

Uma coisa sobre a qual muitos bispos concordaram foi que a igreja não pode legislar-se à unidade.

O bispo Samuel J. Quire, que lidera a Conferência da Libéria, disse que a igreja precisa continuar o diálogo.

"Precisamos de mais conversa", disse ele. “Podemos sempre nos unir, especialmente quando se trata de missão”.

 

*Hahn é repórter multimídia da Notícias Metodistas Unidas. Entre em contato com ela pelo telefone (615) 742-5470 ou newsdesk@umcom.org. Para ler mais notícias da Metodista Unida, assine os resumos diários ou semanais gratuitos.

**Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org 

Área Geral da Igreja
Os bispos Thomas J. Bickerton (centro) e Gregory V. Palmer (à direita) conversam com colegas sobre procedimentos legislativos durante a Conferência Geral Metodista Unida de 2019 em St. Louis. Bickerton é o representante do Conselho dos Bispos na Comissão da Conferência Geral. A Comissão da Conferência Geral - que se reuniu a portas fechadas - revisou uma investigação que encontrou evidências de quatro pessoas inelegíveis votando com as credenciais dos delegados que não estavam presentes. Foto de arquivo por Mike DuBose, Notícias MU.

Votação indevida no GC2019 anula voto chave

Uma investigação sobre a Conferência Geral determinou que o número de eleitores inelegíveis era suficiente para afetar um voto sobre como as igrejas podem deixar a denominação.
Igreja Local
A polícia disse que um homem do Tennessee invadiu uma igreja em Milford em 1º de julho de 2019 e danificou a porta do escritório porque acreditava que a igreja e seu pastor "apoiavam e promoviam a agenda LGBT". Charles Yarbrough, 30, de Nashville, foi acusado de um crime de ódio, roubo e crime de propriedade. A Igreja Metodista Unida (IMU) Mary Taylor Memorial, no centro de Milford, proclamou que recebe membros da comunidade LGBTQ. Foto de Stock UMCOM.

Policiais de Milford: um homem do Tennessee invadiu a igreja por 'empurrar a agenda LGBT'

A polícia disse que um homem do Tennessee invadiu uma igreja em Milford e danificou uma porta do escritório porque acreditava que a igreja e seu pastor "estavam apoiando e empurrando a agenda LGBT".
Igreja Local
A Igreja Metodista Coy, em Preston, Mississippi, está entre as sete congregações do Mississippi que deixaram a denominação em 30 de junho. Cortesia da foto: Conferência Anual do Mississippi.

Sete igrejas do Mississippi deixam a denominação

A Conferência Anual do Mississippi votou para aprovar a partida de sete igrejas que pediram para deixar a denominação.