Pergunte ao IMU: Quantos missionários existem?

Mais de 350 missionários metodistas unidos servem em mais de 65 países em todo o mundo. 

"Os missionários servem como agentes de transformação de Deus. Eles não vão para corrigir problemas em nome de terceiros. Eles vão estar no ministério com a comunidade local. Eles vão aprender, ouvir e servir como testemunhas da graça transformadora de Deus e de seu poder", diz Judy Chung, directora executiva do Serviço Missionário do Conselho Metodista Unido dos Ministérios Globais.

"Os missionários metodistas unidos estão engajados em vários ministérios como professores, agricultores, educadores, médicos, contadores, desenvolvedores comunitários, coordenadores voluntários, pilotos, enfermeiros, professores, administradores e outros. Eles atendem às necessidades da comunidade conforme identificadas pelos líderes locais como prioridades-chave. E eles cruzam muitas fronteiras para dedicar suas vidas e as vidas de suas famílias para estarem em missão", disse ela.   

As pessoas chamadas ao serviço missionário através dos Ministérios Globais devem atender a alguns requisitos básicos . Estes incluem ser um cristão professo, ter a educação e experiência apropriadas para o cargo, e a disposição para servir. 

 

Eles geralmente (nem sempre) servem fora do seu país de origem. Quando comissionado para serviço, uma cruz de âncora é colocada ao redor do pescoço dos missionários. A cruz de âncora é um símbolo cristão primitivo que serve como um lembrete de que estamos firmemente ancorados em Cristo enquanto nos engajamos na missão de Deus. 

Em 2018, 68 jovens adultos de 24 países foram contratados para servir como bolsistas da Missão Global, uma oportunidade de serviço missionário de dois anos, e 15 novos missionários foram comissionados para o serviço missionário de longo prazo.

Interessado em se tornar um missionário? Saiba mais sobre as oportunidades de serviço e qual pode ser a certa para você.

Série de vídeos: sou um missionário

Relacionado: Missionários compartilham alegrias de servir na África

Tem perguntas? Pergunte ao UMC ou encontre um pastor perto de você para conversar. 

Confira outras  perguntas e respostas recentes.

Este conteúdo foi produzido por Ask The UMC, um ministério das Comunicações Metodistas Unidas. Publicado pela primeira vez em 12 de fevereiro de 2019.

** Sara de Paula é tradutora independente. Para contatá-la, escreva para IMU_Hispana-Latina @umcom.org

Relacionado

Historias de Fe
La Revda. Esther Kachiko Furaha ora durante el culto de adoración en la Iglesia Metodista Unida Nueva Jerusalén en Uvira, Congo, en 2015. Los/as cristianos/as entienden la oración como una comunicación espiritual con Dios. Foto por Mike DuBose, SMUN.

La Pregunta Metodista: ¿Cuál es la diferencia entre la oración y la meditación?

Para los/as metodistas unidos/as, la oración es un "medio de gracia" a través del cual experimentamos la presencia y la gracia de Dios.
Discipulado
Desde el siglo X, la observancia del “miércoles de ceniza” se ha convertido en un rito general para todos en la iglesia.

La Pregunta Metodista: ¿Desde cuándo y porqué celebramos el “miércoles de ceniza”?

El “miércoles de ceniza” comienza la temporada de Cuaresma, una época en la que muchos/as cristianos/as se preparan para la Pascua observando un período de ayuno, arrepentimiento, moderación y disciplina espiritual.
Foto de archivo de Joey Butler, UMNS.  El Rev. Jerome R. DeVine (izquierda, atrás) hace la señal de la cruz sobre la Revda. Kyland Dobbins durante una reafirmación del bautismo en "Facing the Future 2018", un evento para el clero en nombramientos trans-raciales e interculturales, llevado a cabo en la ciudad de Newark, estado de Nueva Jersey. DeVine describió el servicio como "un recordatorio de cómo somos reclamados por la gracia de Dios en el bautismo, así como el don continuo de la gracia que nos sana y fortalece en medio de las tormentas de la vida y el ministerio".

La Pregunta Metodista: Los/as metodistas unidos/as usan la señal de la cruz

La señal de la cruz es una antigua práctica cristiana, que data de al menos el comienzo del siglo III (mucho antes de que existieran las iglesias protestantes y/o evangélicas)